10 curiosidades sobre a chuva

Confira a lista com fatos interessantes e curiosidades que você provavelmente ainda não sabe sobre a chuva

Dias chuvosos são perfeitos para ficar em casa, em baixo do cobertor, aproveitando uma deliciosa xícara de chocolate quente! As gotículas de água, que se tornam suficientemente substanciais para cair sob a gravidade, devido à redução dos vapores de água presentes na atmosfera são denominadas “chuva. É uma parte essencial do ciclo da água e é responsável por economizar a maior parte da água doce do planeta. Ela que pode ser desejada por muitos em regiões secas e não muito querida por lugares que enfrentam enchentes, mas desejada ou não, a chuva é indispensável para a sobrevivência na Terra. Confira abaixo 10 curiosidades e fatos interessantes que vão te ajudar a entender um pouco mais sobre este fenômeno da natureza.

10. As nuvens geralmente são brancas por causa da grande concentração de microgotículas de água e pequenos cristais de gelo. Eles agem como pequenos prismas, decompondo a luz solar nas cores do arco-íris (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta). Para quem olha a nuvem, o resultado é a soma de todas essas cores, que dá o branco.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

9. As nuvens de chuva são geralmente formadas a uma altitude de 1000 a 1200 metros acima do solo. Se um objeto com o mesmo peso e tamanho de uma gota de chuva cair desta altura, ele atingiria uma velocidade de queda livre, chegando à superfície a cerca de 558 km/h, o que provavelmente causaria um grande estrago.

Mas porque as gotas de chuva não machucam as pessoas ou não estragam o local aonde caem? Devido à forma oval de suas gotículas, a força de atrito é aumentada na atmosfera, impedindo que elas ultrapassem uma velocidade limite. Por isso, a velocidade com que elas chegam à superfície não passa de 8 a 10 km/h, não importando de que altura ela caia.

8. Um estudo de 2015 na Nature Geoscience concluiu que as primeiras chuvas da Terra eram feitas de ferro. Mais de 4,5 bilhões de anos atrás, pedaços de rocha espacial vaporizaram com o impacto com nosso planeta ainda em formação, ergueram-se em nuvens de rocha e ferro e, em seguida, voltaram a cair como chuva.

7. As microgotículas de água surgem com a condensação (passagem do estado gasoso para o líquido) do vapor da atmosfera. Essas gotículas, cujo diâmetro é de milésimos de centímetros, são muito leves e ficam flutuando. Somente quando se juntam devido a choques, formando gotas maiores, é que elas ganham peso suficiente para cair.

6. Estima-se que 16 milhões de toneladas de água, em forma de precipitação, variando entre chuva, neve, granizo e orvalho, caiam em direção à Terra a cada segundo. Por meio do processo de evaporação toda essa umidade é puxada de volta para a atmosfera e assim o ciclo continua incessantemente. Com isso, em um dia, a Terra recebe cerca de 306 bilhões de galões de água.

5. A chuva ácida, embora seja água, deixa um tipo diferente de impressão em muitas superfícies, corroendo o metal e erodindo o calcário e o mármore. O termo, cunhado em meados do século 19, normalmente se refere à precipitação com um pH inferior a 5,2.

4. As nuvens ficam suspensas no ar pela constante evaporação e condensação do vapor de água que as forma. A grandes altitudes, o ar frio provoca a queda das gotas de água. Ao alcançar as camadas inferiores de ar mais quente, elas evaporam e sobem para se condensar outra vez, repetindo o ciclo.

3. A “chuva de sangue” ou “chuva vermelha” é um fenômeno que acontece em algumas poucas ocasiões, mas que já foi registrada desde os tempos antigos. Por exemplo, Plutarco falou sobre uma chuva sangrenta que caiu após as grandes batalhas com as tribos dos homens de Criso (que ele refere como “germanos”).

Plutarco acreditava que a evaporação do sangue no campo de batalha ficava impregnada no ar, “pintando” as gotas de água comuns na cor vermelho-sangue. O último registro da famosa chuva vermelha foi na Índia, no estado de Kerala, em 2001.

2. A chuva ácida pode ocorrer naturalmente após erupções vulcânicas, incêndios florestais e outros eventos que liberam dióxido de enxofre na atmosfera. O composto se dissolve na água da chuva e se oxida em ácido sulfúrico.

1. Pode parecer coisa de filme, mas você sabia que já foram relatadas ao longo da história “chuva de animais”, como peixes e sapos? Uma hipótese para explicar esse fenômeno é que os ventos fortes ou tornados que viajam sobre as águas às vezes capturam criaturas como peixes ou rãs e as carregam por vários quilômetros.

Tags: