19 pessoas são condenadas em ação no Ministério Público de Goiás por tráfico na região de Edéia

Ministério Público conseguiu condenar 19 indivíduos que praticavam o crime de tráfico de drogas em Edealina, Edéia e Vicentinópolis

O ministério Público de Goiás (MPGO) conseguiu a condenação de 19 pessoas que estavam envolvidas com o tráfico de drogas em três municípios de Goiás. Na decisão, que veio do Poder Judiciário, 18 indivíduos foram condenados pelo crime de associação para o tráfico e o crime de tráfico de drogas. Um único indivíduo foi preso por associação para o tráfico.

Warley Rufino de Souza era o líder da organização, conforme apontado na denúncia do ministério público, oferecida pela promotora de Justiça Maria Cecília de Jesus Ferreira. Rufino de Souza chefiava as negociações e os repasses de drogas para Rafael Caetano Neto e Wader Mariano de Souza, ambos denunciados pela promotora.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Prisão, ação da polícia e condenação

Os principais indícios vieram após a prisão de Rafael Caetano e um caderno apreendido. O caderno apresentava anotações sobre os repasses de drogas, assim como os nomes dos compradores das cidades de Edealina, Edéia e Vicentinópolis.

LEIA TAMBÉM

• Trabalho análogo a escravo; Goiás é o segundo com mais autuações no País• É de Goiás! Pequena Miss Brasil sonha em ser atriz e ama a passarela• MPGO pede cumprimento de sentença e pagamento de indenização do seguro DPVAT

A polícia interceptou ligações telefônicas dos denunciados, judicialmente autorizadas. Tais ligações permitiram com que a polícia acompanhasse e obtivesse informações em tempo real, comprovando a incidência do repasse das drogas. As gravações também permitiram a comprovação da materialidade das vendas e compras de drogas por Warley Rufino de Souza, Rafael Caetano Neto e Wader Mariano de Souza.

A defesa chegou a levantar a hipótese de uma possível adulteração das provas recolhidas. Não houve prova de prejuízo de confiabilidade no procedimento de tratamento e guarda de provas. Sendo assim, a decisão ainda destacou que não há de se falar em quebra de cadeia de custódia.

“Não há indícios nos autos de que as autoridades policiais, agentes de polícias e policiais militares que trabalharam nas operações que resultaram na presente ação penal tinham algum motivo para prejudicarem os denunciados, pelo contrário, apenas estavam cumprindo o respectivo ofício de repressão ao tráfico de drogas”, destacou a sentença.

Os 19 condenados

Réus foram condenados por tráfico e associação para o tráfico de drogas

1) Douglas Matos de Azevedo;

2) Ruan Djulio Dias da Silva;

3) Wader Mariano de Souza;

4) Guilherme de Oliveira e Souza;

5) Erik Vinícius Queiroz Silva;

6) Cristiam Lima Gomes;

7) Wellington Faria Ribeiro;

8) Patriciane Ferreira Costa;

9) Dheyfferson Wytano Nunes Amaral;

10) Lucas Cabral Pereira;

11) Luan Heleno Cabral;

12) Clayston Aponciano Ferreira;

13) Hallyson Hernandes Silva dos Anjos Pereira;

14) Yuri Cabral;

15) Erivam Júnior Soares Crispim;

16) Kirve Mariana Dias Silva;

17) Carolaine Sena Silva;

18) Barbara Barros Gomes de Godoi;

19) Rafael Caetano Neto (condenado pelo crime de associação para o tráfico).

Tags: