Adriana Accorsi: “No Brasil não temos nem 10% de mulheres eleitas”

Em entrevista coletiva, a deputada estadual Adriana Accorsi falou sobre o dia internacional das mulheres e as conquistas obtidas por elas. “Sem dúvidas temos muitos motivos para comemorar. A história de conquistas das mulheres no mundo é uma história muito bonita. Mas ainda temos grandes desafios pela frente”.

A deputada comentou sobre as dificuldades das mulheres no mercado de trabalho e nas tarefas domésticas. “Aqui no estado de Goiás coloco como um desafio imenso a questão da igualdade no mercado de trabalho porque as mulheres ainda não ganham os mesmo salários e direitos dos homens, mesmo exercendo as mesmas funções. Além disso, exercemos dupla ou até tripla jornada de trabalho porque não conseguimos dividir com nossos companheiros os afazeres em casa”.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Para a parlamentar, a desigualdade entre homens e mulheres na política é outro desafio a ser vencido. “No Brasil não temos nem 10% de mulheres eleitas. É um número ínfimo em relação ao panorama mundial. Somos a maioria da população e dos eleitores. Seria justo que estivéssemos aqui em pé de igualdade trazendo nossas preocupações e sentimentos”.

LEIA TAMBÉM

• Goiás pode ter censo voltado à população autista• “Foi uma ação desumana e ilegal durante a pandemia” deputada Adriana Accorsi sobre despejo da Prefeitura de Aparecida• Caiado declara pit dogs como patrimônio cultural em Goiás

Accorsi comentou a respeito da violência contra física contra a mulher. “A questão da violência contra a mulher é algo muito grave. É muito grave. Goiás possui um número alto de violência contra a mulher. Temos que lutar para que as mulheres tenham igualdade, sejam respeitas e possam ser felizes em Goiás e no Brasil”.

A deputada aproveitou para falar das mulheres que trabalham na área da segurança pública já que é delegada. “São mulheres que cotidianamente tem que mostrar sua força, sua capacidade. Tenho certeza que a polícia e os ambientes até então masculinos tem muito a ganhar com a presença feminina”.

Tags: