Após quatro mortes, CPP de Aparecida registra nova tentativa de homicídio

Agentes precisaram balear preso para que ele parasse de esfaquear 'colega'. Vítima e autor foram parar no posto de saúde

O sistema penitenciário de Aparecida de Goiânia quase registrou mais uma morte na madrugada desta quarta-feira, 3, após agentes da Casa de Prisão Provisória (CPP) do município flagrarem um detento esfaqueando um ‘colega’.  

Segundo a Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP), o homem estava em posse de uma faca caseira, enquanto e desferia repetidos golpes no outro detento. Para impedir que a ação resultasse em morte, os agentes acabaram baleando o autor da tentativa de homicídio. 

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Os dois foram encaminhados ao posto de saúde da CPP e, em seguida, para a Central de Flagrantes de Aparecida de Goiânia. Desde a última semana, a penitenciária registrou quatro mortes, o que levou à transferência de presos para unidades de segurança máxima.

LEIA TAMBÉM

• Goiás confirma primeiro caso de varíola dos macacos em crianças• Nepotismo: MP recomenda exoneração de nove comissionados, em Luziânia • Em surto psicótico, mulher mata avó e depois coloca fogo no corpo, em Pontalina

Rebelião

Para o Ministério Público de Goiás (MP-GO), a onda de assassinatos pode ser o começo de uma possível rebelião no sistema penitenciário aparecidense. De acordo com o órgão, associações criminosas seriam as responsáveis pelos crimes ocorridos nos últimos dias.

Além disso, há também a suspeita que um advogado tenha levado até os detentos ‘a ordem’ de matar Hyago Alves da Silva, Matheus Junior Costa de Oliveira e Paulo Cesar Pereira dos Santos, que aguardavam julgamento pelos crimes de roubo e homicídio.

Já João Victor Nunes Araújo Guedes, assassinado no último dia 27, era visto como um ‘cagueta’. Ou seja, alguém que passava as informações para os agentes penitenciários. Por isso, foi espancado até a morte.

Tags: