Home»Cotidiano»Bicicletas compartilhadas, locomoção e lazer

Sistema de bicicletas compartilhadas tem sido tendência nas grandes metrópoles, como solução para locomoção urbana

0
Shares
Pinterest Google+ Whatsapp

A iniciativa da Prefeitura de Goiânia de oferecer bicicletas públicas compartilhadas à população goianiense foi apresentada em 2016 pelo ex-prefeito. Na ocasião, o gestor destacou que o Projeto DeBike representa um passo no avanço da mobilidade urbana, na promoção da saúde e da qualidade de vida da população.

O tempo gasto no trânsito e a dificuldade de locomoção estão entre os principais transtornos que afetam diretamente a qualidade da vida das populações nos grandes centros urbanos do Brasil. Para se ter uma ideia, segundo uma pesquisa do Ibope realizada em 2016, na maior cidade da América Latina, São Paulo, as pessoas gastam por ano o equivalente a 45 dias com deslocamentos no trânsito. Ou seja, é mais de um mês parado no trânsito.

Diante desse desafio da locomoção diária, o sistema de bicicletas compartilhadas, também conhecido como  bike sharing, tem tornado-se uma tendência nas grandes metrópoles, como solução para reduzir a “poluição”. Em Goiânia, de acordo com dados da prefeitura, existem 16 estações de bicicletas públicas compartilhadas espalhadas pela cidade. O projeto GynDebike funciona há mais de um ano e meio e conta com 160 bikes, que podem ser usadas por toda cidade, para passeios, ir ao trabalhar ou prática esportiva, ao custo de R$ 4,00 por um dia, R$ 8,00 o passe mensal, R$ 35,00 o semestral ou então R$ 70,00 o passe anual, ao todo já foram realizadas 115.051 viagens de bicicletas usando o sistema.

 

Newsletter do Jornal Diário do Estado – Assine já!

Comente á vontade!