Jornal Diário do Estado

Bolsonaro aparece como diretor de ONG de parceiro do reverendo Amilton

A “Missão Humanitária do Estado Maior das Forças Armadas” foi registrada em Miami em 30 de outubro de 2020, já durante a pandemia.

Um documento revelado nesta quarta-feira (4) pela Agência Sportlight, do jornalista Lúcio de Castro, revela que o nome de Jair Bolsonaro (sem partido) e do vice, Hamilton Mourão (PRTB), constam como diretores de uma ONG intitulada “Missão Humanitária do Estado Maior das Forças Armadas”, registrada na Flórida, Estados Unidos, no dia 30 de outubro de 2020.

Além de Bolsonaro e Mourão, a entidade tem em seus quadros o “tenente coronel capelão” Roberto Cohen, diretor da American Diplomatic Mission of International Relations (ADMIR), uma outra organização que seria parceira da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), presidida pelo reverendo Amilton Gomes de Paula, que chorou ao depor à CPI da Covid-19 nesta terça-feira (3).

Segundo a Sportlight, a Admir tem como presidente o filho de Donald Trump. Em 2018, o presidente Trump virou presidente de honra da entidade.

Além da Admir, o nome de Cohen – que também aparece ainda em registros como Zigmund Ziegler Roberto Cohen, tenente-coronel israelense e médico – aparece em outras três empresas na junta da Flórida, entre elas a American Federal Credit Card and Investments Foundation, também inscrita como de “missão humanitária”, que consta o nome de Aldebaran Luiz Holleben.

Aldebaran foi desmacarado na CPI do Genocídio nesta terça pelo senador Jean-Paul Prates (PT-RN), que revelou que ele reivindica ter os poderes do herói de quadrinhos Super-Homem.

Leia a reportagem completa na Agência Sportlight