Jornal Diário do Estado

Bolsonaro pede que outros países ajudem a combater comércio ilegal de madeira

Presidente afirmou que não vai acusar alguma nação pelo crime, mas sim as empresas que estão nesses países

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 19, que o combate ao comércio ilegal de madeira no Brasil depende de colaboração internacional envolvendo outros países, sobretudo europeus, já que o continente é considerado destino de grande parte do contrabando do produto. A declaração foi dada durante live semanal transmitida pelas redes sociais.

“Tem como esses países colaborarem conosco. A Amazônia é uma imensidão, é maior que a Europa Ocidental toda junta. Então, não é fácil você tomar conta de tudo aquilo. Agora, as críticas são potencializadas. Existe o desmatamento ilegal? Existe”, disse o presidente, acompanhado do ministro da Justiça, André Mendonça, e do delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva, superintendente da corporação no Amazonas.

Na terça-feira, 17, durante discurso na 12ª Cúpula dos Brics, Bolsonaro disse o governo iria revelar uma lista com nomes de países que importam madeira extraída de forma ilegal da Amazônia brasileira. Ao retomar o assunto durante a live, o presidente reafirmou que há uma lista de empresas e dos países aos quais elas pertencem que estariam envolvidos no mercado ilegal.

No entanto, Bolsonaro disse que o objetivo não é acusar outras nações, mas resolver os problemas. “Nós temos aqui os nomes das empresas que importam isso e a que países elas pertencem. A gente não vai acusar o país A, B ou C de estar cometendo um crime, mas a empresa desses países, sim”, disse.