Brasil piora e cai no ranking mundial de percepção de corrupção

Segundo levantamento da Transparência Internacional, País saiu da posição 94 para a posição 96. Explicação seria o contexto sociopolítico interno

O Brasil está mais corrupto. Um levantamento da ONG Transparência Internacional colocou o País na 96º posição em um ranking que avalia a percepção da prática em 180 países. A colocação é pior do que a do ano passado e retrasado, quando ocupávamos o 94º lugar.

O índice se baseia em percepções de corrupção no setor público através de atributos determinados por especialistas. Os motivos para o rebaixamento brasileiro na lista são “retrocessos no arcabouço legal e institucional anticorrupção do país”, aponta o documento.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Os principais fatos que impactaram foram a interferência em órgãos de corrupção, apurações da CPI da Covid e divulgação do orçamento secreto. Comparativamente aos índices médios, os números brasileiros ficaram abaixo das expectativas.  O País fica bem atrás do registro médio de corrupção no mundo, entre os BRICs, na América Latina e Caribe, países do e da OCDE .

LEIA TAMBÉM

• Com novidade, Tite convoca Seleção Brasileira para amistosos de junho• Penúltima convocação de Tite: o que vem por aí na Seleção Brasileira?• Preço do Diesel vai subir de novo passando nas distribuidoras de R$ 4,51 para R$ 4,91

“O Brasil está passando por uma rápida deterioração do ambiente democrático e desmanche sem precedentes de sua capacidade de enfrentamento da corrupção. São marcos legais e institucionais que o país levou décadas para construir. Isso traz consequências ainda mais graves por ocorrer em meio à pandemia da Covid-19 “, afirma o diretor-executivo da entidade, Bruno Brandão.

No topo dos menos corruptos estão empatados Dinamarca, Finlândia e Nova Zelândia enquanto os mais corruptos são Somália, Síria e Sudão do Sul. O levantamento é realizado desde 1995 apontando o impacto de falta de transparência, de combate a práticas ilícitas e de liberdade de informação.

Tags: