Jornal Diário do Estado

Vídeo: Briga por herança deixa três pessoas gravemente feridas, em Aparecida de Goiânia

Confusão ocorreu após uma discussão para ver quem iria ficar com um lote. Mulher, que baleou cunhado, esposa e enteado, segue foragida

Uma briga por herança quase acabou com três pessoas mortas no Setor Dourada 2, em Aparecida de Goiânia. A caso ocorreu após uma mulher, com o auxílio da filha, tentar matar a tiros o cunhado, a esposa dele e o enteado. 

A mulher, inclusive, foi atingida com dois tiros no peito, enquanto que o jovem teve o braço baleado. O homem, por sua vez, conseguiu fugir pelo muro, sendo salvo pelo celular que estava no bolso e que acabou parando a bala. 

O crime ocorreu no último domingo, 28, mas uma das autoras identificada como Francisca Thauany (filha), foi presa nesta terça-feira, 30, pela Companhia de Policiamento Especializado (CPE). A segunda suspeita, Antônio dias Monteiro (mãe), que já possui passagens por tráfico, segue foragida. 

“A minha mãe faleceu e agora ela [cunhada] quer ficar com toda a herança. A gente mora em casas separadas, mas que ficam no mesmo lote. Eu falei para ela que iria chamar a polícia e então ela atirou na gente. Ela bateu no portão com a filha, e quando abri, elas atiraram. O portão chegou a cair em cima de mim, mas consegui fugir. Pensei que a minha esposa e o meu enteado tinham sido mortos”, explicou uma das vítimas, que não quis se identificar.

Briga por herança: Vítima consegue fugir do local

Após conseguir fugir do local pulando o muro, o homem acionou a polícia, que posteriormente fez a prisão de uma das suspeitas. Ainda de acordo com a vítima, a esposa e o enteado foram socorridos por uma das enteadas, que também estava no imóvel, mas que não foi alvo dos tiros.

Os dois feridos foram encaminhados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) ao Hospital Estadual de Urgências de Goiás Dr. Valdemiro Cruz (HUGO). A mulher, inclusive, segue internada e pode ser liberada ainda nesta quinta-feira, 1º, conforme o marido.

Mesmo todos estando bem, a família planeja se mudar, devido ao medo de que a mulher, que segue foragida, retorne ao imóvel para terminar “o serviço”.  

“Graças a rapidez do SAMU e a ação da polícia militar, a minha esposa não morreu. Ela passou por uma cirurgia e pode receber alta amanhã. Mas a gente fica com medo, são pessoas perigosas, que têm passagem. Depois de tudo ainda recebi ameaças de morte, mas sei que ela também vai acabar presa”, concluiu.

Para garantir a seguranças das vítimas, os nomes de todos os envolvidos não foram revelados.