Jornal Diário do Estado

Calor causa derretimento de 10% de volume das geleiras, indica estudo

Estudo da Academia Suíça de Ciências Naturais revelou que foi registrado um verão atípico e derretimento fora do normal

O superaquecimento do Planeta Terra tem deixado efeitos além da onda de calor que atingiu o Brasil na última semana. Dados revelados pela Academia Suíça de Ciências Naturais indicam que os glaciais suíços estão vivendo um derretimento histórico, perdendo 10% de seus volumes em apenas dois anos. O impacto revela um verão com temperaturas inéditas e um inverno com pouca neve.

Ainda segundo dados, a contração do desmatamento foi de 6% em 2022 e 4% em 2023. Os dados, que são os mesmos contados entre 1960 e 1990, revelam que esse processo tem se tornado cada vez mais intenso nos últimos anos.

Em alguns locais, as geleiras pequenas desapareceram. O cenário passou a ser modificado e lagos começaram a surgir, assim como corpos foram desenterrados diante do degelo de montanhas.

Em outros lugares como Valais e Engandin, um número importante foi perdido mesmo o glacial estando a 3,2 mil metros de altitude e em um local onde não ocorre derretimento de neve nem mesmo no verão. Já em Aletsh, o glacial mais famoso do mundo, a neve se encontra abaixo do normal no inverno e o derretimento foi mais acelerado. Nos picos acima de 2 mil metros, a cama de neve foi a menor em um período de 25 anos.