Cannabis: Uso medicinal pode ajudar na saúde do coração

Estudos recentes indicam que uso pode melhorar a qualidade de vida e a saúde de pessoas cardiopatas

O número de óbitos por doenças cardiovasculares é um dos maiores ao redor de todo o mundo, em comparação com outras condições. No Brasil, somente neste ano foram quase 300 mil mortes que se relacionam à saúde do coração, segundo dados do Cardiômetro. O indicador foi criado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Pensando nisso, pesquisas buscam cada vez mais formas de evitar, postergar e prevenir cardiopatias a partir de medidas terapêuticas e tratamentos alternativos. Entre eles, por exemplo, estão os estudos sobre os efeitos da Cannabis na saúde do coração.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Hoje em dia, já sabemos que a cannabis protege endotélio vascular de condições como aumento de colesterol e diabetes. Ela é vaso dilatadora, então também ajuda a controlar níveis de pressão; tem efeito inotrópico positivo, que melhora a contração do coração para tratar casos de insuficiência cardíaca, por exemplo, ao melhorar o bombeamento do sangue e a oxigenação de tecidos periféricos”, explica a Dra. Maria Teresa Jacob, membro da International Association for Canabinoid Medicines (IACM).

Pesquisa

Segundo a médica, as pesquisas sobre os efeitos da cannabis na saúde do coração vêm sendo desenvolvidas e sugerem que o uso da substância pode contribuir para o bom funcionamento do sistema cardiovascular. Recentemente, por exemplo, um estudo publicado pela revista norte-americana Neuropsychopharmacology apontou que usuários de cannabis têm menor risco de sofrer um AVC, graças à melhora do fluxo de sangue e oxigênio.

“Sabe-se que ela também melhora a motilidade do coração e a contratura do miocárdio, já que promove uma vasodilatação periférica”, conta.

No Brasil, estudos semelhantes também estão sendo realizados, como um do Instituto do Coração (InCor), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Com apoio da empresa canadense Verdemed, a pesquisa vai durar dois anos e acompanhar 105 pacientes do InCor que sofrem de insuficiência cardíaca, dos quais metade receberá canabidiol (CBD) e a outra metade receberá placebo. O objetivo é investigar os impactos positivos do CBD na qualidade de vida e verificar se o quadro clínico sofre alterações.

“Nos EUA, o estudo foi observacional, com usuários que já faziam uso recreativo da maconha. Agora, os estudo brasileiro quer observar diretamente a eficácia da cannabis em pacientes que já sofrem com insuficiência cardíaca”, esclarece a médica.

Cannabis x Maconha

Para ela, existe uma diferenciação importante entre os termos maconha e cannabis, especialmente quando se fala dos efeitos das substâncias na saúde do coração. De forma geral, Cannabis é um gênero de plantas originárias da Ásia, sendo a maconha uma de suas variantes. A planta, porém, é considerada droga ilícita em várias partes do mundo, incluindo o Brasil, por conta do alto teor de THC.

“É o THC que dá os efeitos buscados para quem usa por diversão, com várias cepas já existentes. Já as cepas medicinais possuem concentração bem menores, quando necessário, ou até nenhum THC na composição”, comenta.

De acordo com a médica, é importante reconhecer a diferença porque o consumo recreativo de substâncias com THC pode representar risco em algumas condições de saúde cardiovascular.

“Se o paciente tiver arritmia, por exemplo, não pode usar THC, porque isso pode piorar a condição não controlada”.

Benefícios

A médica explica que os estudos são importantes para ajudar a desmistificar o preconceito que ainda existe ao redor do consumo da planta, mesmo em tratamentos comprovadamente eficazes. Segundo a médica, o cenário de pesquisas se beneficiou da decisão da Comissão de Narcóticos das Nações Unidas, de dezembro de 2020, que retirou a cannabis da lista de entorpecentes mais perigosos, reconhecendo assim as propriedades medicinais da planta, ainda que seu consumo para fins recreativos continue proibido. Ela também ressalta a importância dos estudos para dar mais credibilidade aos tratamentos, já comuns em várias áreas.

“Atualmente, a maioria dos tratamentos com cannabis é off-label, baseado em efeitos percebidos em estudos e testes com animais, ou tratamentos prévios. Porém, para se fazer medicina hoje, deve-se basear em evidências, então precisamos dos estudos que sustentam a prática clínica”, explica.

No entanto, a profissional alerta para a importância do uso responsável da substância.

“Não estamos falando de uso recreativo. Qualquer tratamento nesse sentido deve ser acompanhado por médicos com formação especializada em cannabis medicinal, um remédio que oferece inúmeros benefícios para a saúde da população”, finaliza.

Tags: