Jornal Diário do Estado

Caso Ariane: Após um ano da morte da jovem, mãe ainda sofre ameaças nas redes sociais

Ariane foi morta por um grupo de amigos no dia 24 de agosto de 2021. Objetivo dos criminosos era provar se uma jovem era psicopata

Há exatamente um ano, um crime bárbaro que envolveu paixão, fuga e jogo de influência mudou a história de uma família, em Goiânia. Isso porque desde o dia 24 de agosto de 2021, o tempo parece ter parado para a cabeleireira Eliane Laureano, de 36 anos. A data foi a última vez em que a mulher viu a única filha, Ariane Bárbara, de 18 anos, com vida.

Neste mesmo dia, a jovem serviu de ‘cobaia’ para quatro amigos (uma mulher, uma transexual, um homem e uma adolescente), que armaram uma emboscada para comprovar se um dos integrantes era ‘psicopata’. A ideia era saber se a jovem sentiria remorso após cometer um homicídio. Naquela noite, o grupo convidou Ariane para comer um lanche. Entusiasmada, ela aceitou o convite.

Porém, no caminho, Ariane acabou sendo morta com oito facadas dentro de um carro em movimento, enquanto o grupo ouvia uma música, assim como havia sido planejado previamente. O corpo dela foi abandonado em uma área de mata do Setor Jaó, em Goiânia, e só foi encontrado uma semana depois, já em estado de decomposição. 

Ameaças e ataques 

Mesmo após um ano da perda da filha, Eliane, mãe de Arine, ainda guarda na memória o sentimento de desespero por não ter notícias da filha durante os sete dias em que ficou desaparecida.

Ao Metrópolis, a mulher informou que também tem medo das ameaças, perseguições e ataques que ela passou a receber. Ela conta que recebeu inúmeras mensagens de condolência, desde a notícia da morte, mas que também passou a receber mensagens intimidadoras, principalmente pelo Instagram.

“As pessoas me procuram, ficam perguntando coisas da minha vida, sobre o que eu desejo para os assassinos, se eu consigo perdoá-los. Um chegou a dizer que me mandaria as fotos da minha filha morta, sendo que eu não tive vontade nem de ler o laudo do cadáver, quando ele ficou pronto. Não li o relatório do inquérito. Eu não quis ver como ela estava, quando foi encontrada”, revela.

Ataque ao túmulo

O último ‘baque’ vivenciado, desde a morte da filha, segundo Eliane, foi um ato de vandalismo cometido contra o túmulo de Ariane, que se encontra na Cidade de Goiás, onde a jovem foi sepultada. Alguém, ainda sem identificação, foi até o local e vandalizou a placa com o nome e foto da garota, e ainda quebrou o concreto, a ponto de deixar o caixão da jovem aparente. O caso aconteceu no início do ano.

Entristecida, a mulher chegou a fazer uma vaquinha on-line para consertar o estrago feito, mas conseguiu dinheiro suficiente para fazer a reforma apenas este mês. O buraco foi fechado, mas a mãe optou por não colocar uma nova placa com o nome da filha. No jazigo, agora, consta apenas a identificação da avó de Ariane, com quem ela divide o mesmo espaço. A mulher decidiu retirar o nome da filha, a fim de evitar novos ataques.

Grupo segue preso 

Os quatro acusados de envolvimento no assassinato da jovem seguem presos. Eles chegaram a passar por exames psiquiátricos, numa tentativa de provar algum traço psicopata ou de alegar que eles não tinham noção da realidade no momento do crime, mas os laudos comprovaram o oposto. Ou seja, eles sabiam o que estavam fazendo.

Raíssa Nunes Borges, de 20 anos, Enzo Jacomini Carneiro Matos, que se apresenta como Freya, de 19 anos, e Jeferson Cavalcante Rodrigues, 23, seguem detidos. Além deles, há também uma menor de 17 anos, apontada pelos outros três criminosos, como a idealizadora do crime. Por ser menor de idade, ela está apreendida. A menor, inclusive, foi uma das pessoas que chegaram a mandar mensagens de preocupação para a mãe de Ariane, enquanto as buscas pela garota ainda não tinham chegado ao fim. 

“Não desejo o mesmo que fizeram com a minha filha para eles, porque parece que, assim, eu estaria me igualando. Eu desejo justiça e entrego para Deus. Minha revolta é, também, contra os pais desses jovens, que não perceberam, não tomaram conta”, concluiu Eliane.