// Poder

CPI do MEC no Senado está a caminho

Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) conseguiu as 27 assinaturas necessárias para protocolar o pedido de investigação no Poder

Em

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição ao governo Bolsonaro no Senado, disse nesta quinta-feira, 23, que conseguiu as 27 assinaturas para protocolar o pedido de abertura de Uma CPI no poder para investigar a existência de um gabinete paralelo no MEC durante a gestão do ex-ministro Milton Ribeiro.

Ribeiro pediu demissão do cargo no mês de março de 2022 após estourar o escândalo envolvendo corrupção no Ministério da Educação. Na última quarta-feira (22), Ribeiro e os pastores evangélicos, Gilmar Santos e Arilton Santos, foram presos pela PF suspeitos de integrarem um esquema de liberação de verba no MEC a troco de propina.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Os últimos senadores a assinar o documento para protocolar a CPI no Poder foram Soraya Thronicke (União-MS), Rafael Tenório (MDB-AL), suplente de Renan Calheiros (MDB-AL) e o senador Giordano (MDB-SP).

LEIA TAMBÉM

• Presidente da CEF é investigado por denúncias de abuso sexual• Adolescente morre durante perseguição policial, em Paraúna• Pedido de CPI do MEC é instalado no Senado

Com a primeira parte do protocolo para seguir com a investigação cumprida, o senador Randolfe Rodrigues anunciou uma entrevista para a tarde desta quinta-feira (23). O parlamentar quer detalhar os objetivos do trabalho que depende ainda do aval do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Enquanto o líder da oposição trabalha para iniciar as investigações no Senado, a base Bolsonarista na Casa faz o movimento contrário. Seria mais uma pedra no sapato do presidente que nos últimos meses vem acumulando desgastes e seu governo prejudicando a sua popularidade e, consequentemente o seu projeto de reeleição.

Tags: