// Poder

Datafolha indica vitória de Lula no 1° turno com 47% contra 28% de Bolsonaro

Petista teria 6% a mais do que a soma dos demais candidatos, conforme levantamento divulgado nesta quinta-feira, 23

Em

A tão esperada pesquisa Datafolha, prevista para esta quinta-feira, 23, finalmente foi divulgada, no período da noite, e acendeu os ânimos dos dois pré-candidatos à presidência, Lula e Bolsonaro, que polarizam as eleições de 2022 desde o início dos levantamentos.

De um lado, a os petistas comemoras os 47% que dão o primeiro lugar a Lula na preferência do eleitorado e garantiriam a vitória do ex-presidente ainda no 1º turno. Bolsonaro aparece com 28% das intenções de voto, 19% atrás do principal concorrente ao Palácio do Planalto. O resultado reforça o temos dos apoiadores do atual presidente e deixa o grupo sem muitos motivos para festejar.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Em terceiro lugar na pesquisa Datafolha aparece o pedetista Ciro Gomes (8%). Foram entrevistados 2.556 eleitores em 181 cidades nos dias 22 e 23 de junho. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e a pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número 09088/2022.

LEIA TAMBÉM

• Aprovada pelo conselho, Daniella Marques já é a presidente da CEF• Goiás registra um estupro de criança ou adolescente a cada quatro horas• Justiça mantém prisão de jovem que matou ex-sogro

Ainda de acordo com o novo levantamento Datafolha, Lula venceria Bolsonaro em um cenário de 2º turno com 57% contra 34% do atual presidente. Brancos e nulos nessa simulação seriam 8%.

Novamente a pesquisa mostra que o pedetista Ciro Gomes, apesar de distante dos líderes nas intenções de votos, venceria Bolsonaro em um possível 2° turno entre eles. O pedetista alcançaria 51% da preferência dos entrevistados contra 37%.

Água Fria

Se até o início dessa semana existia a perspectiva de que o presidente poderia melhorar seu desempenho em novas pesquisas, o resultado da atual Datafolha foi um banho de água fria nos apoiadores e responsáveis pela pré-campanha de reeleição de Bolsonaro.

A popularidade do presidente continua em baixa confirmando que a atuação do líder político brasileiro, com apoio de sua base no Congresso, para conter os preços dos combustíveis não funcionou. Os produtos tiveram novas altas desagradando os consumidores que estão sendo sacrificados com a atual crise financeira no País.

Ainda nesta quinta-feira o Planalto resolveu apostar novas fichas em incrementos de projetos de cunho social para tentar fazer com que Bolsonaro melhore sua popularidade diante do eleitorado.

Agora a proposta é criar o PIX para caminhoneiros autônomos no valor de R$ 1 mil e ainda elevar o Auxílio Brasil de R$400 para R$ 600. Se aprovados em Brasília, os  benefícios devem ser validados até dezembro desse ano. Se os brasileiros entenderem que as medidas são eleitoreiras, pode ser que o tiro saia pela culatra, a situação do governo fique ainda pior e o presidente continue sem prestígio diante dos eleitores.

Acontece que toda essa movimentação considerada como agenda positiva pelos governistas foram encobertas pelo escândalo do ex-ministro Milton Ribeiro que, junto com os pastores evangélicos Gilmar Santos e Arilton Moura, foram presos na última quarta-feira, 22, nas investigações da PF relacionadas a um esquema de corrupção que funcionava dentro do MEC.

O presidente que “colocava a cara no fogo”, pelo seu ex-assessor, literalmente deve estar queimando de raiva. Vamos aguardar as próximas movimentações em Brasília.

Tags: