//

Exclusivo: Não haverá Réveillon 2022, em Goiânia

Em

Pelo terceiro ano consecutivo Goiânia não terá Réveillon na Praça Cívica, em Goiânia. Isso, porque ainda existe um receio por parte das autoridades em função da pandemia de Covid-19. A festa faz parte do calendário comemorativo do estado e por diversos anos foi destino de milhares de pessoas.

Desde o inicio de 2020, Goiás vem aderindo rigorosos protocolos sanitários, afim de conter o avanço da pandemia. Além disso, o estado está com a vacinação contra a doença em estágio avançado. No entanto, nenhum município goiano alcançou o  70% de toda a população com o ciclo completo da vacina. A meta foi definida como condição para flexibilizar as medidas no estado.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Carnaval

Além do Réveillon, outro evento que tem sido bastante questionado é o Carnaval 2022. A festa, está em discussão em todo país. Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que se depender dele o evento não deve acontecer. ” Por mim não teria Carnaval. Só que tem um detalhe: quem decide não sou eu.” A declaração ocorreu à Rádio Sucesso Bahia.

Apesar da alta expectativa para a volta da “normalidade” , dezenas de cidades brasileiras decidiram cancelar o evento previsto para fevereiro e maio do próximo ano. Entre elas, 58 de São Paulo. O Rio de Janeiro que até outubro havia confirmado a programação festiva, agora estudam a não realização do evento, o mesmo acontece em Salvador e Olinda.

Aqui em Goiás, apesar de um cenário “estável” com 202 municípios sem registro de mortes por Covid-19. Algumas prefeituras temem uma nova onda do vírus como tem ocorrido na Europa. Portanto, preferem esperar as festas de final de ano para analisar se terá ou não o Carnaval, como é o caso da Chapada dos Veadeiros, Pirenópolis e Goiás.

Já a prefeitura de Caldas Novas não descartou a festa, mas deve exigir comprovante de vacina. Entretanto, Rio Quente, cidade vizinha de Caldas, diz não arriscar com um evento de tal magnitude.

O Governo do Estado no entanto não interferiu nas decisões das prefeituras, mas ressalta a necessidade de evitar aglomerações, sobre tudo em locais fechados.