Jornal Diário do Estado

// Poder

Falas de Bolsonaro sobre PSD colocam em xeque relação de Wilder Morais com Vanderlan Cardoso

Em

Foi de supetão, sem nada coordenado entre os membros do PL goiano, que Jair Bolsonaro (PL) resolveu dar coletiva durante sua passagem por Goiânia, na última sexta-feira ,27, e fez críticas ao PSD durante as perguntas dos jornalistas presentes. O ex-presidente avaliou que é difícil fazer alianças com o partido de Gilberto Kassab pelo comportamento “servil” da legenda, que está, no Congresso, bem alinhada com o governo do presidente Lula (PT).

O Poder conversou com membros do PL goiano que afirmaram que foram surpreendidos pela fala de Bolsonaro e acreditam que ele não tenha feito a ligação de que o senador Vanderlan Cardoso, que já foi seu aliado, seja presidente do PSD em Goiás.

A declaração do ex-presidente colocou em xeque os últimos meses de articulações que o presidente do PL goiano, senador Wilder Morais, vem fazendo para firmar alianças com o partido de Vanderlan nos municípios goianos, com possibilidade até de apoio à candidatura do pessedista à Prefeitura de Goiânia. Em contrapartida, Wilder teria o apoio do PL para sua candidatura ao governo em 2026.

Logo em seguida à resposta de Bolsonaro, Wilder também foi questionado sobre as alianças com o PSD, mas, para não contradizer seu principal fiador político em público, corroborou e afirmou que não há conversas nesse sentido com o pessedista. As duas respostas instalalam um climão entre os partidos.

Fontes do PL alegam que é difícil romper com o PSD. “Kassab, por exemplo, é secretário de Tarcísio de Freitas em São Paulo. Não tem como a direita romper com o PSD. É complexo”.

Os dois senadores ainda não conversaram após a passagem de Bolsonaro em Goiás. Sem o PL, Vanderlan pode acabar ficando isolado para a disputa. Por outro lado, Wilder também perde força para seguir seus planos políticos para as eleicoes majoritáriasde 2026.

Tags: