//

Goiás é um dos destaques na queda do desemprego, segundo IBGE

Em
Em todo Brasil a taxa de desocupação divulgada pelo IBGE recuou em 20 das 27 unidades da Federação, e Goiás está entre elas.

Foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma pesquisa referente ao desemprego no Brasil. Nos dados foram mostrados que a taxa de desemprego do país no 3° trimestre de 2021 foi de 12,6%, com quedas de 1,6 ponto percentual, comparado ao 2º trimestre de 2021 (14,2%) e de 2,2 p.p. relacionado ao 3º trimestre de 2020 (14,9%).

Em todo Brasil a taxa de desocupação divulgada pelo IBGE recuou em 20 das 27 unidades da Federação, e Goiás está entre elas. No segundo trimestre do ano, o estado estava com 12,4% na taxa de desemprego, no terceiro trimestre a taxa caiu para 10%. De acordo com economista, Ivo Ferreira, os índices de contratação e a geração de empregos informais vem sendo os motivos da baixa na taxa no número de desemprego em Goiás.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“A retomada da economia principalmente por parte do comércio varejistas e logística, que são um dos principais geradores de contratação, fez com que os índices de empregos subissem e também o número de serviços informais que dependem dessas atividades. Goiás que é uma referência no mercado de vendas de roupas e bens. Ele teve um destaque com relação a sua retomada econômica quando o principal mercado voltou a normalidade”, comenta o economista.

 

Pesquisa do IBGE também fala sobre taxa de subutilização

No relatório do IBGE também é mostrado dados sobre a taxa de subutilização que é composta pela taxa de desocupação, a de subocupação por insuficiência de horas e a da força de trabalho potencial, pessoas que não estão em busca de emprego, mas que estariam disponíveis para trabalhar.

Em Goiás e outros estado do Brasil, a taxa de subocupação em estados do Brasil tem sido alta, mas em outros estados o número é baixo. O economista explica que esse cenário é notado por vários fatores.

“Goiás por ter um ramo econômico agropecuário e varejista, se viu com uma vantagem em ter um retorno rápido de suas atividades. E por terem um mercado que demanda bastante mão de obra, tanto com relação a produção, vendas e logística. Isso fez com que a economia goiana se destacasse com esse crescimento significativo com relação a outros estados”, explica Ivo.

Rendimento médio real mensal

Em questão de rendimento médio real mensal, o Brasil recuou neste trimestre para R$ R$ 2.459, comparado ao trimestre anterior (R$ 2.562), e ao mesmo período do ano de 2020 (R$ 2.766). Ivo diz que com a economia fragilizada por conta da pandemia e o alto número de demissões, houve uma diminuição do salário médio do profissional de várias áreas.

“Isso aconteceu porque muitas das vezes as pessoas preferiram ganhar abaixo do piso salarial para serem empregadas. Também a informalidade gera pequenos retornos, pois os serviços não fixos geram ganhos variáveis às pessoas com ocupação informal”, fala Ferreira.

A taxa de informalidade no 3° trimestre de 2021 foi de 40,6% da população ocupada. Segundo Ivo, a informalidade foi um fator bastante fundamental para essa queda do número de desocupados e acrescenta sobre os números de Goiás que foram apresentados.

 “O número de Goiás está num cenário positivo, com vista que os meios adotados para estimular a economia crescer está indo bem. É esperado que esse número se mantenha crescente nos próximos meses. Para termos um progresso com relação a questão trabalhista do pais, é necessário haver uma reforma trabalhista, com relação a contratação e salários bases. Isto poderia facilitar não só o empregado, porem também o empregador, proporcionando melhores condições de acordos de contratação”, acrescenta o economista.

Números do IBGE podem diminuir com o surgimento de novos empregos neste final de ano.

A Confederação Nacional do Comércio (CNC) prevê que as festividades do final de ano aqueçam o mercado e gerem em média 100 mil vagas de trabalho ainda em 2021. Momento propicio para quem deseja entrar ou retornar para o mercado de trabalho. Mas para conquistar um emprego é necessário que o participante se prepare.