//

Levantamento da FEMMA mostra que menos de 35% das mulheres acima de 45 anos fizeram o exame de mamografia, em 2021.

Em

De acordo com um levantamento feito pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA), com 1.264 mulheres, no Brasil todo, entre as mulheres de 45 a 55 anos, apenas 33% fizeram o exame de mamografia, resultado se torna alarmante por se tratar da faixa etária que apresentam risco maior de desenvolver a doença.

Segundo o Frank Braga, presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM-GO), o número é muito preocupante e muita coisa pode ter influenciado o número.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Isso se dá pelo pouco acesso das mulheres, por conta do medo, do desconforto por conta do exame. E a pandemia influenciou. Entretanto, em 2019 12% das mulheres realizaram o exame, em 2020 esse número caiu pela metade” comenta Braga.

A situação fica pior com a divulgação do Instituto Nacional de Câncer (INCA), que mostra que em 2021 mais de 66 mil casos de mamografia seriam registrados. Frank Braga se preocupa com o número, pois somente 22 mil chegaram ao conhecimento dos especialistas.

 “Eram estimados 66 mil novos casos de câncer, mas só 22 mil foram confirmados. Os outros ficaram em casa. Isso impacta bastante nos consultórios, pois hoje e daqui a um tempo, nós médicos receberemos as pacientes com tumores em estado avançado. E isso, de alguma forma influenciará no tratamento”, lamenta Frank.

Câncer mais comum

O câncer de mama é o segundo tipo mais comum entre as mulheres brasileiras, com número inferior apenas ao de pele. Com um diagnóstico precoce as chances de cura aumentam significativamente, é o que defende o presidente.

“A mamografia é o único exame que tem impacto. Fazendo o diagnóstico precoce, aumenta muito a cura e o tratamento poderá ser melhor. A cirurgia será conservadora e não radical. Temos muitos mamógrafos para atender as mulheres no estado. Só não temos uma boa distribuição”, conclui o presidente.

Segundo dados, em 2008, Goiás tinha 103 mamógrafos. Já em 2020, o número aumentou para 164. Em Goiânia temos 66 mamógrafos, sendo que desse total, 19 são do Sistema Único de Saúde (SUS).