// Poder

Partido quer Magda Mofatto como vice se Mendanha não se filiar ao PL

Em

O caminho partidário do prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (sem partido) ainda segue incerto, apesar da certeza dele sair como candidato ao governo de Goiás. Como antecipado por essa coluna Poder, o pré-candidato já está, inclusive, com uma segurança especial para rodar o estado. Questionado pelo Diário do Estado, o presidente estadual do Partido Liberal (PL), Flávio Canedo, próximo a Mendanha, disse que a escolha de partido do aparecidense será mediante alinhamento com o presidente Jair Bolsonaro (PL).

A cada ação, uma reação: alinhamento e palanque para Bolsonaro, eliminará qualquer apoio mínimo com partidos de centro-esquerda no estado, assim como já sinalizou a deputada federal Adriana Accorsi do Partido dos Trabalhadores (PT), ao dizer que o apoio a Mendanha só seria viável caso ele apoiasse também Lula (PT). Com o cenário nacional tão polarizado, os pré-candidatos ao governo de Goiás, Caiado e Mendanha, têm preferido se manter distantes dessas escolhas de apoio, no momento.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Ao que parece, Gustavo Mendanha, realmente se filiará a um partido de centro-direita/direita. Se não for o PL, Canedo diz que “É natural que nós indiquemos um vice e, neste caso, queremos uma mulher. A Magda Mofatto é um dos maiores nomes de Goiás. Caso não estejamos com um vice, podemos escolher um nome para o Senado Federal”, afirma. Mendanha, desde o ano passado, está sem legenda, quando Daniel Vilela (MDB) fez aliança com o governador Ronaldo Caiado (DEM).

LEIA TAMBÉM

• Anápolis marca de pênalti, bate o Costa Rica-MS e sustenta espaço no G-4• Goiás pode ter pelo menos três candidaturas isoladas ao Senado• Vídeo: O que aconteceu com promoter que agrediu ex-noiva, em Goiânia

Nesta semana, Mendanha esteve em Brasília (DF) em busca de um rumo partidário e de apoio. Na viagem, se encontrou com o deputado federal Ricardo Barros, do Partido Progressistas (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara Federal. O encontro foi articulado pelos deputados Magda Mofatto (PL) e Professor Alcides (PP). O objetivo das reuniões é de conseguir o apoio do Progressistas nacional que, neste caso, traria um desalinhamento em Goiás, pois o presidente estadual do partido, o ex-ministro Alexandre Baldy, é da base de Caiado e procura uma vaga no Senado para 2022.

Caso não consiga o apoio do PP, Mendanha ainda tem a possibilidade de se filiar ao PL, Republicanos, Podemos ou ainda, remotamente, no PSDB. No PL, ele esgota as chances do Major Vitor Hugo (PSL), que se filiará em breve no partido de Bolsonaro, de ser um candidato ao governo de Goiás, visto que o diretório estadual possui autonomia para a escolha de seus candidatos, a qual só será definida com pesquisas de intenção de voto. Mendanha no PL o torna o candidato de Bolsonaro para o governo de Goiás e coloca o Major Vitor Hugo como candidato a reeleição de deputado federal.

Flávio Canedo disse ainda a esta coluna que na próxima semana terá novidades. Estamos no aguardo.

Podemos sob nova direção

O grupo político de Gustavo Mendanha (sem partido) assumiu a comissão provisória do Podemos em Goiás. Vilmar Mariano, vice de Mendanha e ex-mdbista, sinaliza de vez a saída do deputado federal José Nelto (Podemos) da legenda, visto que Nelto é da base caiadista. Vilmarzinho diz “Com a mudança, o partido sai da base do atual governo. Com diálogo e responsabilidade vamos construir uma chapa competitiva para deputado federal, deputado estadual e apoiar o projeto de pré-candidatura do prefeito Gustavo Mendanha para governador de Goiás”.

Apoio a Mendanha

Apesar do Republicanos ser também uma opção para Mendanha, ao que tudo indica este não seja um caminho do prefeito aparecidense. Em off, uma fonte próxima a Rogério Cruz (Republicanos) afirmou que ele tem preferência em apoiar Caiado a Medanha nas eleições deste ano. Além disso, o Republicanos, bem como o Partido Social Democrático (PSD), tem preferido dar um enfoque nas candidaturas do legislativo. A carta maior do PSD é o ex-ministro Henrique Meirelles.

E agora?

Apesar desse favoritismo de Rogério Cruz (Republicanos) em relação a Caiado, a Igreja Universal, ligada ao Republicanos, vai continuar apoiando Jair Bolsonaro (PL). Com isso, o prefeito de Goiânia pode se afastar de Caiado que não irá subir em um mesmo palanque que Bolsonaro.

Tucanos

O ex-governador Marconi Perillo (PSDB) tem sido bastante ativo nas redes sociais com suas críticas ao governo de Ronaldo Caiado (DEM) e também com publicações de “TBT” com lembranças de sua gestão. Segundo Flávio Canedo, “Quando um governo é péssimo, dá até a impressão de que o anterior era bom”, diz sobre a gestão de dos dois.

Alta

O governador Ronaldo Caiado (DEM) que está em São Paulo para tratar de uma infecção prostática, anunciou que deve receber alta neste final de semana ou na segunda-feira. Enquanto isso, ele tem acompanhado o que acontece no estado e conversando com seu secretariado.

De olho nas eleições

O atual vice-governador de Goiás, Licoln Tejota (Cidadania) tem declarado o apoio à reeleição de Ronaldo Caiado (DEM), mesmo que tenha sido riscado da chapa majoritária para este ano. Ele, que preside o Cidadania no estado, vai representar Goiás em um grupo que discute uma possível aliança para as eleições. As conversas acontecem com o Podemos, PSDB, MDB e PDT.