Home»Cinema»Conheça os filmes indicados aos Oscar 2018 que fazem parte de festival goiano

Confira a nossa opinião sobre "A Forma da Água", além de análise de mais dois outros filmes de destaque da Mostra

0
Shares
Pinterest Google+ Whatsapp

O Diário do Estado preparou uma lista de sugestão com três filmes indicados ao Oscar 2018 que fazem parte da 11ª Mostra “O Amor, a Morte e as Paixões”, que começa nessa quarta-feira (7), no Shopping Bougainville, em Goiânia e inclui mais 100 filmes de 36 países. O evento vai até o dia 21 de fevereiro.

A Forma da Água

Foto: Divulgação

Nós assistimos o novo filme do diretor Guillermo Del Toro (“Hellboy”), que conta a história da zeladora muda Elisa (Sally Hawkins, de Godzilla), funcionária de um laboratório experimental secreto do governo, que conhece e se afeiçoa a uma criatura fantástica mantida presa no local. Ela elabora um arriscado plano de fuga com a ajuda de um vizinho e uma colega de trabalho. A obra de Del Toro apresenta uma criatura aquática, híbrido de humano e peixe, que é referência clara a “O Monstro da Lagoa Negra”, obra da década de 1930 que fez sucesso entre os clássicos monstros da Universal Studios.

Em “A Forma da Água”, o diretor mistura contos de fadas com erotismo e a tensão da Guerra Fria, nos Estados Unidos. O amor proibido entre Elisa – que nunca ficou com ninguém e anseia por um romance que mude a sua vida – e a criatura, dois seres de espécies diferentes, se mostra como uma forte analogia para o mundo xenofóbico, existente ainda nos dias atuais e, no contexto do filme, de constante perseguição aos comunistas e da corrida espacial, acaba se intensificando ainda mais, aproveitando dos elementos da época, como o forte militarismo e a figura de chefe de segurança, que lembra a típica figura do vilão dos contos de fadas clássicos, como em “A Bela e a Fera”, que tenta separar o casal.

O longa concorre a treze categorias no Oscar 2018: Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original para Guillhermo Del Toro, Melhor Atriz para Sally Hawkins, Melhor Ator Coadjuvante para Richard Jenkins, Melhor Atriz Coadjuvante para Octavia Spencer, Melhor Design de Produção, Melhor Fotografia para Dan Laustsen, Melhor Montagem, Melhor Figurino, Melhor Mixagem de Som e Melhor Edição de Som, Melhor Trilha Sonora Original para Alexandre Desplat.

Lady Bird

Foto: Divulgação

Descrito como uma jornada de amadurecimento feminino, “Lady Bird – A Hora de Voar” é dirigido por Greta Gerwig, que faz sua estreia no cargo, e acompanha Christine McPherson (Saoirse Ronan, de Um Olhar do Paraíso”), no seu último ano do ensino médio e o que mais deseja é ir fazer faculdade longe de Sacramento, Califórnia, ideia firmemente rejeitada por sua mãe (Laurie Metcalf). Lady Bird, como a garota de forte personalidade exige ser chamada, não se dá por vencida e leva o plano de ir embora adiante mesmo assim. Enquanto sua hora não chega, no entanto, ela se divide entre as obrigações estudantis no colégio católico, o primeiro namoro, típicos rituais de passagem para a vida adulta e inúmeros desentendimentos com a progenitora.

No Oscar 2018, o longa foi indicado a cinco categorias: Melhor Filme, Melhor Diretora, Melhor Atriz para Ronan, Melhor Roteiro Original e Melhor Atriz Coadjuvante para Metcalf.

Me Chame Pelo Seu Nome

Foto: Divulgação

No verão de 1983 no Norte da Itália, Elio Perlman (Timothée Chalamet), um garoto ítalo-americano de 17 anos, passa seus dias na casa de campo de sua família, datada do século 17, preguiçosamente transcrevendo música e flertando com sua amiga Marzia. Um dia, Oliver (Armie Hammer), um charmoso pesquisador americano de 24 anos, que está fazendo doutorado, chega na cidade para trabalhar como estagiário de verão encarregado de ajudar o pai de Elio (Michael Stuhlbarg), um renomado professor especializado em cultura greco-romana. Em meio ao esplendor ensolarado desse cenário, Elio e Oliver descobrem a beleza inebriante do desejo despertado ao longo de um verão que mudará suas vidas para sempre.

Enquanto “Lady Bird” está sendo descrito como um filme de descobrimento e amadurecimento feminino, “Me Chame Pelo Seu Nome” acaba sendo considerado a mesma analogia para o público masculino. O longa de Luca Guadagnino é uma adaptação do livro do mesmo nome e trata de amadurecimento, sexo e descobrimento da sexualidade com naturalidade, além de tratar de temas homossexuais.

A adaptação foi indicada a quatro categorias no Oscar deste ano: Melhor Filme, Melhor Ator para Timothée Chalamet, Melhor Roteiro Adaptado para James Ivory e Melhor Canção por “Mystery of Love”, de Sufjan Stevens.

Newsletter do Jornal Diário do Estado – Assine já!

Comente á vontade!