Jornal Diário do Estado

Contador passa por transplante de coração e se casa com enfermeira que cuidou dele

Jônatas Cabanelas possuía miocardiopatia hipertrófica, que consiste em uma doença congênita no coração

Um contador natural da Bahia viajou para o Ceará para passar por uma cirurgia de transplante de coração, mas o que ele não esperava é que iria se apaixonar nesse processo. Jônatas Cabanelas acabou se casando com a técnica de enfermagem, Elys Parente, que trabalhava em um dos hospitais que o contador foi operado.

Jônatas possuía miocardiopatia hipertrófica, que consiste em uma doença congênita no coração, que deixa o órgão espesso e duro, dificultando os batimentos. A doença causou a morte do pai e dos irmãos do contador.

Ele começou a sentir os sintomas mais fortes em 2015, aos 33 anos, sendo necessário o transplante. Com isso, ele tinha a opção de ir para um hospital de São Paulo ou em Fortaleza. O contador optou pela segunda opção para se “sentir mais em casa”.

Já em Fortaleza, o contador não encontrou vaga no Hospital do Coração de Messejana, de rede pública, sendo levado para um hospital particular. Ele estava em estado grave após um Acidente Vascular Cerebral (AVC), que o deixou sem os movimentos do corpo e fala.

Na unidade, ele encontrou a alma gêmea, que trabalhava como técnica de enfermagem. Segundo Elys, uma colega trocou o plantão com ela por não conseguir ir trabalhar no dia seguinte. O contador relembra que quando a técnica passou em frente ao leito, o olhou e sorriu. Naquele momento ele sentiu algo diferente.

Elys complementa dizendo que começou a visitá-lo, inicialmente, para ajudá-lo. Mas, quando ele foi transferido para a unidade pública, ela continuou o visitando durante os três meses no aguardo do transplante.

Final feliz

Depois da cirurgia, o contador passou por algumas complicações, e foi aí que Elys ficou por conta de cuidar dele. “Deixei o emprego. Ele complicou tudo de novo. Chegou a ser entubado de novo. Ele dizia para mim ‘amor, por favor, não me deixa só’”, disse.

Desde então, o contador considera que teve “a sorte de encontrar dois corações”, sendo um que precisava no transplante e o outro, o amor da vida dele. O casal é casado há oito anos e têm dois filhos.