Covid-19: Há mais de quatro semanas, 202 municípios goianos não registram mortes, diz SES

Para a SES, a queda no número de mortes, infecções e internações por Covid-19 é um reflexo do avanço da vacinação no Estado

Goiás vive hoje um dos melhores cenários epidemiológicos desde o inicio da pandemia de Covid-19. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), ao menos 202 municípios goianos não registram óbitos pela doença há mais de quatros semanas, cenário diferente do vivenciado há alguns meses quando o estado estava enfrentando o pico da doença e chegou a registrar 200 óbitos diariamente.

A Superintendente de Vigilância em Saúde da SES, Flúvia Amorim, explica que não só os óbitos estão em baixa, como também a transmissão do vírus que apresenta queda desde agosto. Ela diz, inclusive, que o cenário é um reflexo do avanço da vacinação, em Goiás. Ainda de acordo com Flúvia, cerca de 72% da população em geral foi vacinada com a primeira dose da vacina contra a Covid-19, enquanto que 53% da população está com o esquema vacinal completo.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“O observatório da FIOCRUZ soltou um boletim que mostra a estimativa para as próximas três até seis semanas. Em Goiás a tendência é continuar em queda. Hoje a gente vive essa queda, principalmente em óbitos. Há mais de quatro semanas mais de 200 municípios não registram mortes. Isso mostra uma evolução positiva da doença. Os casos graves também seguem em queda. A ocupação das Unidades de Terapia Intensivas (UTI´S), por exemplo, estão com uma taxa de ocupação entre 20% e 25%”

Flexibilização

Para Flúvia, a desativação de leitos de UTI destinados a pessoas infectadas com o vírus é uma prova do avanço do estado no combate à Covid-19. O Hospital de Campanha para Enfrentamento ao Coronavírus de Goiânia (HCamp), referencia no tratamento contra à Covid-19, por exemplo, será convertido em Hospital Estadual da Criança em dezembro deste ano. A unidade de saúde será convertida devido a queda na quantidade de casos de pacientes com Covid-19 internados na unidade.

Entretanto, a superintendente alerta que novas ondas podem surgir assim como ocorrido em países europeus. Flúvia diz que a população precisa se prevenir, assim como as cidades que não devem cometer erros como liberar o uso de máscaras sem que ao menos 70% da população esteja totalmente imunizada.

“Não só o estado, mas o país pode viver uma nova onda. Nós vimos isso em outras ondas, tanto neste ano quando no ano anterior. Quando aumenta na Europa, acaba aumentando no Brasil um tempo depois. A gente vem discutindo isso, que sirva de alerta para que não cometemos os mesmos erros. Muitos destes países europeus acabaram flexibilizando e desobrigando o uso de máscara de uma forma muito precoce, e agora estão tendo que retroceder. A gente não deve cometer esse erro, e sim ampliar a nossa cobertura vacinal o mais rápido possível.”

Uso de máscara

Ainda de acordo Flúvia, ainda não há previsão de quando será liberado o uso de máscaras em locais abertos no estado. Entretanto, os municípios tem autonomia para liberar o uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI). São Luiz de Montes Belos, por exemplo, liberou o uso do EPI em locais abertos há cerca de uma semana.

“Hoje, 25 municípios estão com a cobertura vacinal da população completa acima de 70%. Ou seja, esses munícios poderiam liberar o uso da máscara. No entanto, temos apenas uma cidade registrada que flexibilizou o uso das máscaras que é São Luiz de Montes Belos”, concluiu.

Tags: