Homem é preso suspeito de se passar por médico para cometer crime sexual

Suspeito utilizava imagens de uma conselheira tutelar para conseguir atrair as vítimas. Ele é servidor da Câmara Municipal de Itumbiara

Um servidor da Câmara Municipal de Itumbiara, no Sul de Goiás, foi preso nesta sexta-feira, 5, suspeito de praticar crime sexual mediante fraude contra uma mulher. Matthews Faria Oliveira, de 30 anos, usada foto de mulher no aplicativo WhatsApp e fingia ser uma conselheira do tutelar para atrair a atenção das vítimas que necessitavam de serviços sociais e buscavam informações pela Internet. Ele também costumava se passar por médico para agir.

Falso médico e aplicação de remédio desconhecido

Segundo a Polícia Civil, o suspeito teria trocado mensagens com a vítima através do Whatsapp, simulando uma entrevista social, onde conseguiu conquistar a confiança dela e passou a fazer perguntas de cunho sexual, visando satisfazer seus desejos. 

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Após a longa troca de mensagens, Matthews passou a conhecer a rotina da vítima e disse que seria necessário a realização da visita de um ‘’oficial’’ do órgão de saúde na residência. Sendo assim, ele trocou a foto de perfil para a de um conselheiro tutelar e marcou a visita até o imóvel. 

LEIA TAMBÉM

• Vereador de Luziânia tem suspensão de cargo prorrogada a pedido do MP• Procon apreende produtos adulterados em supermercado de Itumbiara• Frente fria derruba temperatura, que chega a 5ºC em Goiás, nesta quinta e sexta-feira

No dia, aproveitando que a vítima estava sozinha, o suspeito foi até o local e, notando os problemas de saúde da mulher, também se declarou médico, dizendo que iria examiná-la. Na ocasião, ele retirou a roupa dela e tocou em suas partes íntimas. Não satisfeito, ele misturou ainda remédios e aplicou uma injeção na vítima dizendo que trataria das dores que ela estava sentindo. 

Remédios apreendidos com o falso médico. (Foto: Divulgação/PCGO)

O indivíduo, que já possui passagens por crime de furto, foi preso mediante a crime de violência sexual e fraude, e se encontra em disposição ao Poder Judiciário.

Divulgação da imagem e nome do investigado obedece a legislação, uma vez que busca a identificação de possíveis outras vítimas.

 

Tags: