Covid-19 provoca perda de memória em 51% dos pacientes

Número é apontado em pesquisa da Universidade de São Paulo (USP), realizada com mais de 400 pessoas contaminadas

Uma pesquisa feita pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM USP) com mais 400 pacientes contaminados pela Covid-19, mostra que 51% dos entrevistados alegaram perda de memória. Todos os pacientes da pesquisa, foram submetidos a uma bateria de exames e testes psicológicos durante seis a nove meses após deixarem o hospital.

De todos os entrevistados, 15% dos pacientes também relataram a aparição de sintomas de ansiedade, 13% mencionaram estresse pós-traumático e 8% foram diagnosticados com depressão.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Em análise, o estudo mostrou que os primeiros sintomas surgiram meses após a alta do hospital. Boa parte das vezes, os problemas foram percebidos pelo próprio paciente.

LEIA TAMBÉM

• Até agora 1162 candidatos já registraram candidaturas em Goiás• Encontros e relações a partir da Internet exigem cada vez mais cautela e cuidado• Vídeo: Cadela é resgatada após ficar 10 dias sem comida e água, em Goiânia

Os participantes também passaram por uma entrevista com um psiquiatra e responderam a questionários padronizados usados no diagnóstico de depressão, ansiedade e estresse pós-traumático.

Os sintomas

Como descrevem os autores no artigo, a prevalência de “transtorno mental comum” (sintomas depressivos, estados de ansiedade, irritabilidade, fadiga, insônia, dificuldade de memória e concentração) no grupo estudado (32,2%) foi maior do que a relatada para a população geral brasileira (26,8%) em estudos epidemiológicos.

O estudo teve o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Os resultados completos foram divulgados na revista General Hospital Psychiatry.

O estudo faz parte de um projeto coordenado pelo professor da FM-USP Geraldo Busatto Filho, no qual um grande grupo de pessoas atendidas no Hospital das Clínicas entre 2020 e 2021 vem sendo acompanhado por profissionais de diversas áreas, entre elas otorrinolaringologia, fisiatria e neurologia, a fim de avaliar eventuais sequelas deixadas pelo Sars-CoV-2.