Governo argentino questiona voos militares entre as Malvinas e o Brasil

O governo da Argentina divulgou nota em que demonstra preocupação com o registro de voos militares do Reino Unido realizados entre as Ilhas Malvinas e o Brasil. O documento foi publicado ontem (1º) no site do Ministério das Relações Exteriores argentino. Segundo a nota, no ano passado, 16 foram realizados pelo menos seis voos militares da Força Aérea Britânica entre aeroportos brasileiros e a base aérea inglesa nas Ilhas Malvinas.

A soberania sobre o território das Malvinas, situadas no extremo sul do Oceano Atlântico em área marítima da Argentina, é disputado entre a Argentina e o Reino Unido há mais de 180 anos. A disputa inclusive motivou, na década de 80, uma guerra entre os dois países que durou mais de dois meses. Atualmente, o arquipélago é administrado pelo governo britânico.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

A chancelaria argentina demonstrou preocupação com o caso dos voos militares entre o arquipélago e o Brasil, uma vez que há uma orientação entre os países integrantes do Mercosul de não receber em seus aeroportos aviões militares britânicos que venham das Malvinas, exceto em situações previstas e acordadas pelo bloco.

LEIA TAMBÉM

• PT e PL oficializam candidaturas nos dias 21 e 23 de julho• Pedro Guimarães deixa presidência da CEF após denúncias de assédio sexual• Mendanha deixa Aparecida na rabeira do Ranking Nacional de Qualidade da Informação Contábil e Fiscal

Segundo o informe argentino, o Brasil respondeu que não tinha conhecimento dos voos e que se comprometeu a consultar o Ministério da Defesa brasileiro sobre esta ocorrência. A embaixada brasileira em Buenos Aires sinalizou à chancelaria argentina que os voos podem estar relacionados a questões humanitárias ou emergências de caráter técnico.

A nota lembra que, em 2015, houve registro de 12 voos britânicos entre o Brasil e as Malvinas e, na ocasião, a resposta brasileira foi similar à deste ano. O Itamaraty informou, por meio da sua assessoria de imprensa, que não vai se manifestar sobre a solicitação do país vizinho.

Fonte: Agência Brasil

Tags: