Homem é preso suspeito de abusar sexualmente neto de companheira, em Mozarlândia

O suspeito estava com a avó do menino há 12 anos. O primeiro abuso aconteceu quando a criança tinha 4 anos de idade

Um homem de 41 anos foi preso suspeito de abusar sexualmente do neto da companheira dele, em Mozarlândia, na região noroeste de Goiás. De acordo com a Polícia Civil, o menino de 9 anos, denunciou à família que o detido já havia o feito pegar em seu pênis, anos atrás, além de um abuso recente.

A prisão preventiva pelo crime de estupro de vulnerável aconteceu na quarta-feira (19) por policiais da Delegacia de Polícia (DP) de Mozarlândia.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Segundo o delegado Ricardo Ramos, o menino contou a família que foi molestado sexualmente pelo homem. O suspeito é companheiro da avó materna da vítima há 12 anos e acompanhou o crescimento da criança.

LEIA TAMBÉM

• Bebê de 1 ano morre com sinais de abuso sexual, em São Paulo• Tio e mãe de menina de 4 anos são presos com criança em motel, em Belo Horizonte• Pai é preso suspeito de abusar sexualmente da filha de 10 anos, em Carmo do Rio Verde

“O menor relatou que o investigado, quando estava em um quarto, aproveitando da limitação de movimento da avó materna, a qual se encontra acidentada e estava no sofá da sala, abusou sexualmente dele. Dias depois, quando o menor foi na casa de sua avó paterna, relatou a ela que estava sentindo dor em suas partes íntimas”, disse.

A investigação apurou ainda que o primeiro abuso aconteceu quando o menino tinha apenas 4 anos e o companheiro da avó o fez pegar em seu pênis. Na época, os pais disseram que estavam desconfiados e proibiram a criança de ir até à casa da avó materna.

De acordo com o delegado, foi feito o pedido de prisão preventiva do suspeito, o que foi deferido pelo Poder Judiciário. Após ser detido, o homem foi levado para o presídio de Mozarlândia.

“Diante da gravidade dos fatos, do parentesco próximo da vítima e do investigado, que poderia causar reiterações de ato, bem como não era a primeira denuncia do menor contra o investigado aos seus genitores, poderia ter ocorrido um fato semelhante há quatro anos, foi requerido um mandado de prisão preventiva contra o investigado”, disse.

 

Tags: