Home»Cotidiano»IFG e UFG ganham instalação de árvores solares

A palmeira metálica, que gera energia a partir de luz solar, será inaugurada no Câmpus Goiânia do Instituto Federal de Goiás

0
Shares
Pinterest Google+ Whatsapp

A palmeira metálica, que gera energia a partir de luz solar, será inaugurada no Câmpus Goiânia do Instituto Federal de Goiás

O Instituto Federal de Goiás (IFG), em cooperação com a Enel Distribuição Goiás e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), inaugura árvore solar no campus localizado no centro de Goiânia, durante solenidade nesta quarta-feira (16). às 18h30, no Teatro do IFG – Campus Goiânia, localizado na rua 75, Setor Central, em frente ao Parque Mutirama. A árvore solar integra projeto de eficiência energética em instituições de ensino superior em Goiás implementado pela Enel.

A árvore solar é uma palmeira metálica de 11 metros composta por uma estrutura tubular e dez folhas, sobre as quais estão instalados dez painéis fotovoltaicos. Segundo o responsável por Eficiência Energética da Enel Brasil, Odailton Arruda, a árvore funciona como uma pequena usina solar, aproveitando ao máximo a incidência da luz solar para gerar energia. Cada estrutura tem potência de 2.6kWp e uma geração estimada média de 300 KWh/ mês, o equivalente ao consumo médio mensal de energia de duas famílias com cerca de quatro pessoas.

O projeto de eficiência energética contemplará ainda instalação de mais árvores solares no Campus Itumbiara do IFG e no Campus Samambaia da Universidade Federal de Goiás (UFG). Os recursos destinados ao projeto somam R$ 18 milhões. Os investimentos são provenientes de chamada pública da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) direcionada a instituições públicas de ensino superior, para que possam obter o selo ‘A’ de eficiência energética, conforme o Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), coordenado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O PBE avalia e fornece informações sobre produtos e instalações, considerando critérios como eficiência energética, segurança, impacto ambiental e relação custo/benefício. Todo prédio público novo ou reformado deve receber uma etiqueta dizendo o quanto são sustentáveis.

A iniciativa no IFG e na UFG também contempla a substituição da iluminação existente por cerca de 50 mil lâmpadas LED, a troca de chuveiros elétricos por sistema de aquecimento solar de água e a instalação de geração solar fotovoltaica nos telhados das instituições, além do descarte correto dos equipamentos antigos.

Também está sendo implementado nas instituições de ensino um sistema de gerenciamento e monitoramento dos pontos de energia, tanto no que diz respeito ao consumo quanto à geração. Serão distribuídas telas demonstrando um balanço energético, o que a instituição está economizando e volume de gás carbônico que deixa de ser gerado por causa das ações de eficiência energética.

Newsletter do Jornal Diário do Estado – Assine já!

Comente á vontade!