Jornal Diário do Estado

Já considerando derrota, Bolsonaro fala em se “recolher”, durante podcast

Presidente falou para pool de canais do YouTube ligados ao público evangélico em tom de desalento, já admitindo passar a faixa

As tradicionais ‘brincadeiras’ de duplo sentido e as falas racistas permanecem, mas as falas do presidente Jair Bolsonaro (PL) já ganham ares de consciência de que a derrota nas eleições deste ano é bastante provável. Foi assim que ele se comportou em podcast, na noite desta segunda-feira, 12.

Bolsonaro participou de podcast que foi transmitido simultaneamente nos canais do YouTube de Dunamis, Hub, Felipe Vilela, Positivamente, Luma Elpidio e Luciano Subirá. Todos ligados ao público evangélico. Na ocasião, ele afirmou que se for a “vontade de Deus”, passará a faixa presidencial para quem for eleito e vai se “recolher”.

O desanimo demonstrado por Bolsonaro se deve ao fato de o ex-presidente Liz Inácio Lula da Silva (PT) aparecer à frente em todas as pesquisas de intenções de voto. A situação, inclusive, viria a piorar na própria segunda-feira, quando o Ipec, antigo Ibope, mostrou que o petista ampliou a liderança na corrida pelo Palácio do Planalto.

“Com a minha idade, eu não tenho mais nada a fazer aqui na Terra se acabar essa minha passagem pela política em 31 de dezembro”, declarou o presidente Bolsonaro durante o bate-papo.

Fala racista

Além de admitir a derrota nas eleições, Jair Bolsonaro (PL) voltou a usar frase racista, durante o podcast, ao se referir a um dos apresentadores, que é negro. “Você é afrodescendente?”, questionou o presidente. “Eu sou”, respondeu o apresentador Fernando Vilela.

“Tu é meio escurinho. Ah, isso é crime”, retrucou Bolsonaro, em tom de ironia. “Não ouviu falar que eu era racista, não?”, completou. Antes, o chefe do Executivo já tinha se referido ao mesmo apresentador como “gordinho”. O presidente ainda faria ‘uma graça’ com o apresentador Teófilo Hayashi, chamando-o de “japa”.