Jornalistas são agredidos por seguranças de Bolsonaro e presidente hostiliza a imprensa

Equipes de diferentes veículos foram agredidas com empurrões, chutes e tiveram celulares levados por seguranças de Bolsonaro

Durante a estadia de Jair Bolsonaro em Roma, para participar da Cúpula do G20, o presidente passeou pelas ruas da capital italiana para encontrar com seus apoiadores. Os jornalistas que cobriam os eventos, foram agredidos por seus seguranças e Bolsonaro se recusou a responder perguntas.

A viagem para a Europa foi, exclusivamente, para a participação dos eventos do G20, entretanto, o presidente faltou compromissos da Cúpula. Ao ser questionado por um repórter sobre os motivos de não ter participado de algumas reuniões, o correspondente da emissora Globo, Leonardo Monteiro, foi agredido com um soco no estômago e empurrado por um segurança. Bolsonaro se recusou a responder Leonardo, dizendo “É a Globo? Você não tem vergonha na cara…”.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Outro repórter, Jamil Chade, da UOL, filmou as agressões, mas o segurança também o empurrou, agarrou e torceu o seu braço e pegou o celular do jornalista. A repórter Ana Estela de Sousa Pinto, do jornal “Folha de S.Paulo”, também foi agredida por um segurança. Ela estava em um local público, reservado para a imprensa e o segurança disse que ela deveria se afastar do local. Ela negou sair e foi empurrada três vezes.

LEIA TAMBÉM

• Lula, Bolsonaro, Tebet e Ciro cumprem agenda em Salvador neste sábado, 2• Vídeo: Adele surpreende o público ao gritar ‘Fora Bolsonaro’ em show• Datafolha: Lula lidera com 43% e Bolsonaro tem 30% em São Paulo

A Associação Nacional de Jornais (ANJ), divulgou uma nota de repúdio sobre as ações da equipe de Bolsonaro:

“A Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudia com veemência e indignação as agressões sofridas por jornalistas brasileiros na cobertura das atividades do presidente Jair Bolsonaro em Roma. A violência contra os jornalistas, na tentativa de impedir seu trabalho, é consequência direta da postura do próprio presidente, que estimula com atos e palavras a intolerância diante da atividade jornalística.

É lamentável e inadmissível que o presidente e seus agentes de segurança se voltem contra o trabalho dos jornalistas, cuja missão é informar aos cidadãos. A agressão verbal e a truculência física não impedirão o jornalismo brasileiro de prosseguir no seu trabalho. A ANJ espera que os atos de violência cometidos contra os jornalistas sejam apurados e os culpados, punidos. A impunidade nesse e em outros episódios é sinal de escalada autoritária”.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) também se manifestou:

“A Abraji repudia mais esse ataque à imprensa envolvendo a maior autoridade do país. Ao não condenar atos violentos de seus seguranças e apoiadores a jornalistas que tão somente estão cumprindo seu dever de informar, o presidente da República incentiva mais ataques do gênero, em uma escalada perigosa e que pode se revelar fatal.

Atacar o mensageiro é uma prática recorrente do governo Bolsonaro que, assim como qualquer outra administração, está sujeito ao escrutínio público. É dever da imprensa informar à sociedade atos do poder público, incluindo viagens do presidente no exercício do mandato. E a sociedade, por meio do art 5º da Constituição, inciso XIV, tem o direito do acesso à informação garantido”.

Tags: