Jovem de Senador Canedo expõe marcas da violência na internet e denuncia ex-marido por agressão

Em julho, foi decretada prisão em flagrante do acusado. Ele pagou fiança e responde em liberdade

Gabriela Batista Figueiredo de Freitas da Silva, de 23 anos, publicou nas redes sociais fotos com marcas pelo corpo, afirmando serem resultado de agressão do seu ex-marido, jornalista e produtor cultural, em Senador Canedo. Ela é mãe de duas crianças, com um e dois anos de idade. 

Quando ela denunciou agressões no dia 15 de julho, foi determinada a prisão em flagrante, mas o ex-marido pagou fiança e responde em liberdade. Gabriela relata que as agressões aconteciam há mais de dois anos e começaram com violência psicológica.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Ele quebrando as coisas dentro de casa. Sempre tem sinais, ne?”, relata. Gabriela relata ainda a agressão de estupro. “Eu não durmo à noite. Quando eu era casada com ele, que eu dormia com ele, eu acordava com ele me penetrando ou com a mão em mim. Quando não era isso, eu acordava com ele mexendo no meu celular”, afirma.

Medo constante

Gabriela conta que ficou meses sem sair de casa e retomar a vida porque sentia medo de encontrar com o ex-marido, ou de ele ir até a casa dela. Para ela, a lei não é justa porque, mesmo com a denúncia, o ex-marido não está preso e ela não se sente segura. 

“Como que vou confiar que ele não vai fazer isso de novo comigo? Que ele não vai vir atrás de mim ou não vai usar meus filhos contra mim? Como que a justiça  uma medida protetiva vão me garantir isso? É muito injusta a lei brasileira nesse sentido porque ele está solto, ele está fazendo tudo que ele quer fazer e eu estou presa dentro de casa porque não consigo fazer mais nada”, relata. 

Gabriela tem medo do que possa acontecer após denúncias / Foto: reprodução Instagram.

Ex-marido nega agressões

O ex-marido de Gabriela nega agressão física. “Nunca encostei um dedo nela para agredi-la. Discussões verbais onde trocamos ofensas já aconteceram, mas físicas nunca”, afirma. Sobre a acusação de estupro, ele diz que nunca aconteceu. 

O ex-marido contou que, em julho, foi preso quando se dirigiu à delegacia para relatar ameaças que teria sofrido de familiares de Gabriela. 

Ele relata que a decisão de se separar partiu dele e que acionou advogado para começar a tratar do divórcio. Disse que tentou sair de casa quatro vezes, mas por insistência de Gabriela e para ficar perto dos filhos, ficou. O acusado disse ser “defensor ferrenho” da Lei Maria da Penha, mas afirma que, no caso da acusação contra ele, a lei está sendo usada para forjar um crime.

Tags: