Jovem é preso após matar amante e jogar corpo no rio, em Barro Alto

O jovem de 27 anos teria um relacionamento escondido com o homem de 54 anos a cerca de cinco anos

Um jovem de 27 anos foi preso pela Polícia Civil de Barro Alto, a 220km da capital, foi preso suspeito de matar o amante, de 54 anos, logo após uma discussão com um canivete e jogar o corpo em uma ponta sobre o rio dos Patos. A Polícia não identificou o nome dos envolvidos.

A prisão aconteceu nesta segunda-feira (25), depois que o suspeito se entregou. A vítima chegou a ficar desaparecida por três dias, até que o corpo foi localizado e resgatado pelo Corpo dos Bombeiros.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

O crime aconteceu em 19 de outubro. De acordo com investigações, o jovem e a vítima mantinham um relacionamento amoroso há cinco anos, mas mantinham em segredo, pois o suspeito tinha uma namorada.

Relacionamento conturbado

A relação entre o casal era conturbada, com antecedente em brigas. Em uma das discussões, em agosto, o jovem teria tentado matar a vítima com uma facada na barriga que perfurou o intestino. O homem escondeu dos familiares a autoria da agressão, mas mensagens de celular teriam revelado que o amante foi o responsável.

Na noite do crime, o homem de 54 anos teria entrado no carro do jovem e desaparecido. Familiares perderam contato telefônico com a vítima por volta das 22 horas e ligaram para o jovem, que teria dito que não sabia do paradeiro da vítima.

O jovem desligou o celular e abandonou o carro na saída do distrito após jogar o corpo no rio. A perícia criminal encontrou sangue humano dentro do carro. O suspeito ficou foragido até decidir se entregar na Delegacia de Barro Alto, nesta segunda, acompanhado de um advogado.

Em sua defesa, o suspeito alegou que golpeou a vítima com um canivete para se defender durante uma briga.  A motivação seria porque o homem queria que ele terminasse o namoro com a namorada.

A princípio, a decisão é de prisão temporária, que pode se tornar preventiva após decisão judicial.

Tags: