Jovem matou ex-sogro após surto provocado por remédios controlados, diz defesa

Advogado do suspeito falou que medicamentos eram dados pela ex-namorada de Felipe, que o mantinha em um relacionamento abusivo

Depois de ser preso na noite desta quarta-feira, 29, Felipe Gabriel Jardim Gonçalves, de 26 anos, será indiciado pelo homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e recurso que dificultou defesa da vítima, segundo a Polícia Civil (PC). A principal motivação de Felipe para ter matado a tiros o ex-sogro e dono de farmácia, João do Rosário Leão, de 63 anos, foi o boletim de ocorrência registrado contra ele por conta das atitudes violentas adotadas no sábado, 25, dia em que estavam reunidos em uma festa junina em Aparecida de Goiânia.

A defesa do suspeito, entretanto, diz que tem trabalhado para que os fatos sejam elucidados e afirma que Felipe vinha vivenciando uma relação conturbada com a ex-namorada, Kênnia Yanka, de 26 anos, “que era muito possessiva e não aceitava o fim do relacionamento”, segundo o advogado Júlio de Brito.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Essa namorada fornecia inúmeros medicamentos de uso controlado para Felipe, instigando ele sempre a comprar em grande quantidades para aproveitar a receita que ela comprava com o fornecedor dela. Isso, possivelmente foi o grande desencadeador do surto psicótico que ele teve. De fato ele está com sua capacidade de discernimento abalada, e é necessário que seja feito um exame de insanidade mental nele e que se investigue a causa desse surto”, explicou.

LEIA TAMBÉM

• Em Goiânia, literatura ganha impulso com redes sociais e adaptações de TV e cinema• Ciclovia entre campus da UFG deve reforçar mobilidade com integração de modais• Dia dos Pais: movimento em bares e restaurantes deve aumentar 30%

Mentira

Para Kênnia, que viveu relacionamento de quase um ano com Felipe, as alegações da defesa não passam de ‘artimanhas’ para tirar o foco do crime que ele cometeu: o homicídio do pai dela. A mulher disse também que já tentou fazer com que o ex-namorado realizasse sessões de terapia para tentar melhorar o relacionamento, mas nunca participou das sessões acompanhada do até então companheiro, que se recusava a comparecer nas consultas.

Ainda de acordo com a filha do idoso, Felipe não há como Felipe apresentar problemas psicológicos, devido ao seu porte de arma – documento em que é preciso passar por rigoroso processo, inclusive, psicológicos.

“A defesa dele não tem argumentos para defendê-lo e estão usando artimanhas, mentiras para tentar justificar o que ele fez. Essa questão dele ter insanidade mental é uma grande mentira. O Felipe arquitetou tudo, fez tudo de caso pensado na morte do meu pai. Ele nunca tomou medicação nenhuma, nunca dei remédio para ele, Ai eles vem falar isso? Então eu fiz com que ele massa meu pai. É isso? Ele não tem surto, ele é violento, um assassino”, exaltou.

Medo

Mesmo depois da prisão de Felipe, Kênnia teme que ele possa fazer novas vítimas, caso responda em liberdade até o julgamento. Ela acredita que a repercussão da morte do pai não afete o ex-companheiro, que também a ameaçou de morte.

“Se o Felipe foi capaz de matar o meu pai, ele pode matar qualquer um da nossa família. Se ele for solto, a gente vai precisar viver escondido enquanto ele fica solto. O que eu peço de verdade é que tenha justiça, que o Felipe não responda em liberdade e sim continue preso. Se ele sair eu vou ser a próxima, ele ameaçou o meu pai e cumpriu. Isso não pode ficar em vão”, se emocionou.

Internação

Caso seja comprovada que Felipe possua transtornos mentais, como informado pela defesa, ele não responderá em liberdade, segundo o Delegado Geral da Policia Civil, Alexandre Pinto Lourenço. O investigador explicou que o acusado pode ser internado para trotar a doença, mas é “pouco provável que ele volte viver em sociedade”, devido ao nível de agressividade que ele apresentou pelos seus comportamentos e crimes.

“Caso seja comprovado esse transtorno, uma medida de segurança contra ele deve ser realizada. Ou seja, ele deverá ser internado, mas com condições severas. Em alguns casos, essas internações são mais desconfortareis do que cumprir a própria pena prisional. Porém, é preciso que as investigações sejam concluídas para termos um posicionamento. Será reunido todo material disponível contra ele para que a decisão seja tomada”, concluiu.

Tags: