Mãe que matou bebê e escondeu corpo vai a júri popular

Márcia Zaccarelli Bersaneti irá a júri popular pelo homicídio e ocultação do cadáver de sua própria filha, em 17 de março de 2011. A decisão foi juiz Eduardo Pio Mascarenhas da Silva, da 1ª Vara Criminal de Goiânia.

Em depoimento na delegacia a acusada confessou , ter matado a filha por asfixia, tapando o nariz da criança. Ela tinha escondido a gravidez de amigos e familiares, por ter sido fruto de um relacionamento extraconjugal. Seu marido, Glaudson Costa, na época, já havia passado por vasectomia.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Ela conta no depoimento que logo após a alta hospitalar, se dirigiu a uma praça no Setor Coimbra, onde cometeu o crime. Em seguida, colocou o corpo dentro de uma bolsa e o levou para o apartamento onde morava no Setor Bueno. Márcia então colocou o cadáver em sacos plásticos e pôs dentro de caixas de papelão e o ocultou no escaninho, dentro da garagem.

LEIA TAMBÉM

• Atriz pornô é encontrada nua e amarrada a uma árvore em floresta do Japão• Termina nesta sexta, 1°, inscrições para segunda etapa do Sisu• Goiás participa de operação contra abuso de menores na Internet

O crime só foi descoberto no dia nove de agosto de 2016, quando Glaudson, após se divorciar de Márcia, foi procurar objetos no escaninho e, ao sentir um odor estranho em uma das caixas, acionou a polícia.

A defesa de Márcia pediu um exame de insanidade mental que foi realizado em novembro do ano passado. Na ocasião, a perícia constatou que Márcia não possuía transtornos, nem dependência química.
Presa preventivamente no dia 11 de agosto, a acusada, em uma audiência realizada deu informações confusas sobre as circunstâncias da morte do bebê.

“Eu nunca quis minha filha longe. Eu ia lá (escaninho) praticamente todos os dias. Eu a queria comigo e viva. Eu não matei a minha filha. Eu a embalei porque queria ela comigo”, falou na ocasião. Em outubro Márcia foi solta e cumpre medida cautelar

Para a tomada de decisão o juiz Eduardo Pio ressaltou que existem evidências suficientes da materialidade e autoria do homicídio.

“Há indícios que o crime foi praticado por motivo torpe, consistente no fato de a acusada não querer tornar público o seu relacionamento extraconjugal”. afirmou o juiz.