Médica dá 5 dicas para passar repelente nos pequenos com mais segurança

Proteger os bebês de mosquitos é, principalmente, pela preocupação em evitar o contato com o Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya. Nesse sentido, a maioria dos produtos pode ser aplicada nas crianças, desde que elas não sejam menores de seis meses. A orientação é seguir as instruções mencionadas nas embalagens para o uso do produto apenas nas crianças com mais de 6 meses.

Conselhos ao passar repelente nas crianças

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram
É importante que os pais jamais apliquem o produto em bebês menores de seis meses e também durante o sono dos maiores. Para esse momento, o uso de telas protetoras, ventiladores, ar-condicionado e repelentes eletrônicos são mais adequados. Siga outras 5 dicas na hora da aplicação:

LEIA TAMBÉM

• Termina nesta sexta, 1°, inscrições para segunda etapa do Sisu• Goiás participa de operação contra abuso de menores na Internet• Palmeiras, Fla, Ceará e Santos: noite quase perfeita para os brasileiros

1. Não passe o repelente diretamente na mão da criança para que ela mesma o espalhe no corpo. O receio é que os pequenos possam acabar esfregandos as mãos nos olhos ou na boca;

2. Aplique o repelente na quantidade e nos intervalos recomendados pelo fabricante a, pelo menos, quatro centímetros de distância, caso seja em spray;

3. Evite aplicar próximo da boca, do nariz, dos olhos ou sobre a pele traumatizada. Outra dica é guardar a bula ou a embalagem para eventual consulta, caso haja efeitos adversos e alergias;

4. Assim que não for mais necessário, o repelente deve ser retirado no banho;

5. Em locais muito quentes ou em crianças que suam mais, os médicos e fabricantes recomendam reaplicações mais frequentes que o intervalo indicado na embalagem.