Mutirão de cirurgia ortopédica contemplará 800 pacientes goianos

Procedimentos pré-operatórios serão realizados em Goiânia e em Uruaçu. Intervenções devem ser realizadas nos próximos três meses no HCN e no Crer

O represamento da lista de espera para cirurgia eletiva na rede pública de saúde estadual deve começar a ser solucionado nesta semana. Um mutirão de procedimentos pré-operatórios começa a ser realizado em Uruaçu. A cidade, no norte goiano, e Goiânia, foram escolhidas para receberem 800 pacientes que necessitam de cirurgia ortopédicas, uma das mais procuradas e com mais demoradas para serem contempladas.

Nesta quarta-feira (25), 300 pessoas do interior do estado passarão por qualificação clínica e acolhimento para identificar a origem dos pacientes e procurar atendê-los o mais próximo de onde moram. O mesmo ocorreu com 1,9 mil pessoas durante três dias na capital. Todas elas passaram por exames de eletrocardiograma, ressonância magnética, tomografia e exames laboratoriais. As cirurgias deverão ocorrer nos próximos três meses no Hospital Regional do Centro-Norte (HCN), em Uruaçu, e no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer) , em Goiânia..

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“No período da pandemia os procedimentos médicos que não eram de urgência ficaram suspensos, principalmente na área de ortopedia. Mas agora já é possível atender esses pacientes, que precisam ser assistidos e ter seu problema solucionado”, destaca o governador Ronaldo Caiado.

LEIA TAMBÉM

• Prefeitura de Goiânia disponibiliza 150 vagas para cursos na área industrial• Goiás confirma primeiro caso de varíola dos macacos em crianças• Covid-19: Veja onde se imunizar nesta quarta-feira, 17, em Goiânia

A notícia agradou a dona de casa Maria Regina Martins, de 60 anos. Moradora de Aparecida de Goiânia, ela aguardava há cerca de três anos passar por uma cirurgia no quadril. A idosa reconhece que a pandemia retardou a realização do procedimento, mas disse compreender que os médicos tiveram responsabilidade ao não colocar a vida de pacientes em risco, quando havia um número elevado de casos de Covid-19. 

 

Tags: