Novos casos de Covid em Goiás devem ser de variante mais transmissível

Análise é do infectologista Marcelo Daher. BA2 é considerada 30% mais infecciosa do que a Delta e pode aumentar demanda em unidades de saúde

Apesar de Goiás estar em um cenário epidemiológico favorável, uma nova subvariante do coronavírus ameaça a saúde pública. A BA2 deve começar a apresentar prevalência no estado. A cepa, que é 30% mais transmissível do que a Ômicron, tende a aumentar a demanda de pacientes nos hospitais.

O infectologista Marcelo Daher acredita que a tendência está relacionada ao fato de que a variante tem escape do sistema de defesa e infecta tanto quem já teve a doença quanto os já vacinados. Além disso, ele chama atenção para a quantidade elevada de novas cepas identificada por pesquisadores em todo o mundo.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“A BA2 não causa doença mais grave, mas a procura por unidades de saúde deve ser alta devido à maior possibilidade de infecção, que vai ocasionar mais pessoas doentes. Surgiu uma nova nos Estados Unidos, a BA2.1, responsável pela maioria dos casos lá, assim como a B4 e B5. Todas têm similaridades, como mutação na proteína spike e capacidade de evasão do sistema imune”, explica o médico.

LEIA TAMBÉM

• Goiás perde para o América e amarga a zona de rebaixamento• ‘Minha dor só não é maior do que o meu amor’, escreve Caiado sobre perda do filho• Corpo do filho de Ronaldo Caiado será cremado na tarde deste domingo, 3

A possibilidade de uma onda parecida com a do início ou meados da pandemia é baixa, assim como o retorno da exigência de uso de máscaras. No entanto, a flexibilização de medidas sanitárias, a exemplo da autorização para aglomerações, pode impactar em mais registros da doença mesmo com grande parte dos goianos vacinada.  

“O questionamento meu e de cientistas mundo afora com o crescimento de novas ondas de covid-19 e das subvariantes é: será que as vacinas atuais são suficientes para frear a doença? Será que não deveríamos pensar em novas vacinas, em novas tecnologias ou mesmo atualização das atuais”, frisa Daher.

Para ele, o mais recomendado é a atualização do esquema vacinal da população com doses de reforço e também a oferta de medicamentos eficazes disponibilizados pelo poder  público. O problema apontado pelo especialista é que essas drogas são caras e restritas no mercado nacional.

Tags: