“O homem está perdendo o preconceito em cuidar de si próprio”, diz Dr. Fleury Jr

No novembro azul, conheça mais sobre a saúde do homem

No mês de prevenção contra o câncer de próstata, o médico cirurgião dermatologista, Dr. Luiz Fernando Fleury Júnior, concedeu entrevista ao Diário do Estado para falar da saúde masculina, e mais propriamente sobre a área da saúde que está ligada aos cuidados estéticos. “O que a gente enxerga é que o homem está perdendo o preconceito com cuidar de si próprio, cuidar da saúde. Daquela questão de que o homem tem que ser rústico e não preocupar com isso, que seria coisa de mulher”, destaca.

A principal procura estética dos homens, segundo o doutor, é devido à calvície. “Eu trabalho com transplante capilar. Acho que o homem me procura primeiro por isso, dá uma melhorada na autoestima e depois continua com os cuidados da estética de uma forma geral”, conta. Segundo Luiz, a estética e a saúde estão mais unidos do que se pensa. “A aparência está dentro do conceito de cuidar da saúde: uma pessoa mais saudável vai aparentar mais saudável, de fato”, observa.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Os homens, conhecidos por certo desleixo com a saúde, estão cada vez mais ligados em tratamentos estéticos. “Normalmente, o homem nunca fez nada, mas se preocupa com a calvície. Depois que ele toma coragem de fazer um implante capilar, parece que isso meio que desperta o cuidado. Aí ele começa a tratar rugas, fazer botox, preenchimento, e até acompanhar mais a saúde”. Até em cuidados básicos, como o uso de filtro solar, Fleury conta que o homem começa a prestar mais atenção. O implante capilar “funciona como uma porta de entrada para esse universo”.

LEIA TAMBÉM

• Enjoou? Saiba como dar uma pegada mais moderna na lataria do carro• Falsa policial aplica golpes com Pix em salões e clínicas de estética de Goiânia• Descubra 10 fatores que intensificam a queda de cabelo

Mas além da saúde, há casos em que os cuidados estéticos podem se tornar um problema para os pacientes. “Quando se trata de saúde, a segurança deve vir em primeiro lugar. Uma pessoa que tem uma fragilidade pode ser um ponto fraco para empurrarem procedimentos em excesso, ou que a pessoa não precisaria”, diz Fleury Jr, sobre médicos que se aproveitam da fragilidade dos pacientes.

Veja a entrevista completa:

Tags: