Onda de manifestações nos EUA e no Brasil

Entrevista com professor Robert Bonifácio, da Faculdade de Ciências Sociais da UFG

Uma onda de protestos teve início nos Estados Unidos, após a morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos que foi morto durante uma abordagem policial no país. Floyd morreu asfixiado após um policial pressionar o joelho contra seu pescoço por 10 minutos, enquanto a vítima avisava que não conseguia respirar.

Após o ocorrido milhares de pessoas se sensibilizaram pela brutalidade da ação policial. Alguns grupos foram as ruas para levantar bandeiras contra o Fascismo e o Racismo. O movimento chegou ao Brasil e no último final de semana as torcidas organizadas se juntaram em prol do antifascismo, anti racismo e pedido de democracia.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

O professor de Ciências Políticas da UFG, Roberto Bonifácio analisou os manifestos ocorridos e mostra porque o movimento dos EUA chegou ao Brasil: “o presidente Bolsonaro já disse que ama o presidente Trump. A segregação racial sempre foi um problema nos EUA, o brasileiro se sensibiliza em lutar por essa causa”, conta.

Segundo o professor, o governo perdeu sua maioria, para ele o Brasil vive uma caminhada decrescente no apoio popular. “O Trump e o Bolsonaro são muito parecidos em sua forma de governar. Parece que tudo que os EUA produz em termos políticos, o Bolsonaro compra. Ele tem uma simpatia muito grande por tudo que o Trump faz”, explica Robert.

Entenda os manifestos ocorridos e a relação política entre os países: