Dia Mundial da Saúde: especialista aponta importância da tecnologia para esta área

Por André Afonso Silva
Engenheiro de Sistemas e Computação pela UERJ, Mestre em Ciências (Computação Gráfica em Radiologia de Cabeça e Pescoço) pela Faculdade de Medicina da UFRJ, especialista em MBA e Marketing e estudante de doutorado em neurociências com ênfase em negócios pela Logos University International.

Em
Esta sexta-feira é marcada pelas comemorações do Dia Nacional da Saúde, data criada em homenagem ao médico e sanitarista Oswaldo Gonçalves Cruz, que nasceu em 5 de agosto de 1872. É notório que os avanços dessa área estão atrelados diretamente a outras áreas, a exemplo da tecnologia.
Quem falou sobre esse assunto foi o engenheiro de Sistemas e Computação André Silva, abordando o fato de que as duas andam lado-a-lado atualmente de maneira “inseparável”. Segundo ele, as explicações para a afirmação devem ser extremamente detalhadas.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“Quando o paciente chega para o atendimento, lá está a tela do computador onde seu cadastro é feito, ou consultado. Exames laboratoriais, todos computadorizados. Exames de imagem, todos computadorizados. Até mesmo procedimentos hiper complexos como as cirurgias contam com um amplo aparato de informática que possibilita ao médico operar um joystick(controle) e fazer procedimentos delicados no paciente”, contou.
LEIA TAMBÉM

• ESG no agro avança com nova legislação da UE e promete refletir no Brasil• INSS permite concessão de benefício por incapacidade sem agendamento de perícia• Presença feminina nos mobile games e o papel das marcas na publicidade

André relembrou também um artigo divulgado por um portal de alcance nacional que tinha a seguinte descrição: câncer – conheça as novas tecnologias de combate a tumores. “Nele estavam afirmações como a de que a tecnologia sempre foi uma grande aliada da medicina no combate ao câncer. Novas terapias continuam surgindo, propiciando mais efetividade para eliminar ou reduzir tumores, com menos efeitos colaterais para os pacientes”, descreveu.
Ainda segundo André, o estudo mostra a perfeição dessa espécie de casamento entre a tecnologia e a saúde. “O termo mais novo que começa a circular é o IoMT (Internet of Medical Things) que faz alusão a todo um conjunto de dispositivos interconectados chamados de mHealths (celulares, apps, bases de dados etc) que possibilitam, por exemplo, o monitoramento de pacientes, ligando facilmente o médico a ele. A comunicação máquina-a-máquina (machine-to-machine) é fundamental e o uso de grandes serviços em nuvem (como a Amazon e outros) também tem sido fundamental nesse cenário”, garantiu.
Também conforme André, em 20 julho de 2022 foi publicado pela MDPI em outro conceituado jornal o artigo intitulado Artificial Intelligence (AI) and Internet of Medical Things (IoMT) Assisted Biomedical Systems for Intelligent Healthcare, que aprofunda ainda mais a tecnologia e a saúde, porque através dos dados coletados novas informações com certeza surgirão e poderão resultar em novas descobertas.
“E se engana quem acha que para por aí. Ainda temos o Metaverso utilizado na medicina. Muito recentemente o conceituadíssimo instituto IEEE publicou o artigo Overview: Technology Roadmap of the Future Trend of Metaverse based on IoT, Blockchain, AI Technique, and Medical Domain Metaverse Activity durante a 24ª Conferência Internacional para Tecnologias Avançadas de Comunicação (ICACT). Nele os autores listam várias áreas onde a medicina e o metaverso poderão interagir, a exemplo de : cirurgias remotas; cirurgias com realidade aumentada; modelos 3D de anatomia humana para educação, diagnóstico e planejamento;  simulação de cirurgias e outras tantas”, apontou.
Para o especialista, tecnologia e saúde estão de braços dados de uma maneira inseparável objetivando o nosso bem estar e a melhora da saúde de todos.