Pneumologista explica como se cuidar para não adoecer no inverno

Gripe, bronquiolite, especialmente em crianças e rinossinusite são exemplos de problemas de saúde que ganham força nesta época do ano

O inverno começou nesta terça-feira, 21, e vai até 22 de setembro. Em Goiás, além das temperaturas mais baixas, outros dois fatores específicos da região podem abrir portas para doenças respiratórias: umidade baixa e a grande variação de temperaturas em um mesmo dia.

Clima frio e seco altera o funcionamento das vias aéreas, desde o nariz até os pulmões, conforme explica a pneumologista Fernanda Miranda.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

“O nariz tem função de filtrar, aquecer e umidificar o ar que respiramos e, dependendo de como está o clima, tem dificuldade de desempenhar esta função. Isto pode agravar sintomas de quem já tem doenças respiratórias crônicas, como rinossinusite, enfisema pulmonar e asma. É também uma época do ano em que se tornam frequentes as viroses respiratórias e doenças infecciosas de modo geral”.

Gripe e bronquiolite, principalmente em crianças, são exemplos de doenças que ganham força no período do inverno. Além disso, em Goiás, uma particularidade aumenta o risco de piora na saúde: a amplitude térmica. “De manhã e à noite faz mais frio, mas no meio do dia fica mais quente e esta variação, às vezes, chega a cerca de 10°C”, detalha a especialista.

LEIA TAMBÉM

• Com estoque de sangue perto de zero, Hugol pede ajuda à população• Temperatura cai a partir desta sexta, 29, e pode chegar a 10ºC em Goiás• Vacina contra gripe pode reduzir risco de Alzheimer em 40% dos casos

Fuja das doenças no inverno

Segundo Miranda, um passo importante para se prevenir de doenças no inverno é estar preparado para as mudanças de temperatura e se agasalhar no início da manhã e à noite, momentos que tendem a ser mais frios. Ingerir bastante líquido ajuda a enfrentar o tempo seco, além de lavar o nariz com soro fisiológico.

“Também é importante evitar banhos muito quentes, apesar do clima mais frio, porque eles ressecam a pele, além de passar hidratante e usar protetor solar. Recorrer ao umidificador de ambiente também é interessante. Outras dicas são: não fumar, ter alimentação saudável para manter a imunidade e vacinar”, ressalta.

Além das vacinas contra gripe e Covid-19, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza também o imunizante contra pneumonia pneumocócica, bactéria que causa cerca de 60% dos casos da doença. A vacina está disponível para pessoas acima de 50 anos de idade. Ela deve ser tomada duas vezes, com intervalo de seis a 12 meses entre elas.

O uso de máscara, ainda que não seja mais obrigatório na maior parte das cidades, pode ser uma opção válida no inverno. “Se você acordar com sintomas gripais, mas estiver bem disposto e for ter contato com outras pessoas, vale usar a máscara. Além disso, o que observamos nesse período em que uso de máscara foi obrigatório foi que pacientes com doenças respiratórias crônicas tiveram melhora significativa na prevenção às doenças infecciosas.

Sinal de alerta

Se apesar dos cuidados, a pessoa sentir sintomas gripais, algumas orientações ajudam a saber quando o perigo pode ser maior. “Tosse que persiste por mais de duas semanas é um alerta. Sintomas como febre, mal estar, indisposição, perda de apetite também indicam doenças infecciosas e o médico deve ser consultados”, orienta a pneumologista. Pessoas que já têm doenças crônicas respiratórias devem procurar o médico, caso ainda não tenham ido, para se certificar de que estão seguindo o tratamento corretamente.

Segundo a especialista, o Sars-Cov 2, vírus que causa a Covid-19, não demonstrou perder força em climas quentes, nem ganhou impulso no inverno. “Aparentemente, não varia de acordo com a época do ano. Por outro lado, o que pode acontecer é que no inverno as pessoas tendem a ficar mais em ambiente fechado, com menos ventilação, e isso é propagador de doenças virais”, detalha a pneumologista.

Tags: