Polícia Civil identifica suspeito de estelionato que responde a 13 inquéritos

Um homem que responde por 13 inquéritos policiais foi conduzido coercitivamente para depor à Polícia Civil de Bom Jesus de Goiás, na região sul do estado. Antônio Narno de Souza Neto é suspeito de crime de estelionato.

Souza Neto é investigado pela Polícia do município há mais de três meses. A corporação suspeita que o homem ministra aulas profissionalizantes em nome de um instituto educacional sem contrato com a empresa.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

O investigado detinha contrato com o Instituto Educacional Vanguarda, do Mato Grosso do Sul. O vínculo entre eles, entretanto, foi rescindido após a não-remessa dos valores financeiros acordados entre as partes. A Polícia confirmou que a empresa tem registro regular e funcionamento autorizado pelo Ministério da Educação (MEC).

LEIA TAMBÉM

• Racha da T-9: Após quase dois meses, PC indicia motoristas e pais deles• Caso Lázaro: militar goiano relembra operação que pôs fim à onda de terror• Em Goiânia, mulher rouba a ‘própria moto’ e atira em condutor para se vingar de multas

Mesmo após a rescisão do contrato, Antônio Narno de Souza Neto continuou ministrando aulas, utilizando mobiliário cedido pelo instituto sul-mato-grossense em regime de comodato. Desta forma, os alunos que se matriculavam no curso de Souza Neto não conseguiam realizar avaliações e, os que se formavam, não poderiam obter os certificados de conclusão.

De acordo com o titular da distrital, delegado Vicente de Paulo Silva e Oliveira, o Instituto Vanguarda foi vítima de apropriação indébita de bens e valores. O delegado também afirmou que os alunos foram vítimas de estelionato e falsidade ideológica.  Em depoimento, Antônio Narno garantiu que reparará o dano e restituir os objetos da empresa vítima para obter redução de dois terços da pena.

Tags: