Prefeito de São Simão é investigado por comprar votos com combustível

Wilber Floriano Ferreira não ganhou votação para a reeleição

O prefeito de São Simão, Wilber Floriano Ferreira, e o secretário de Transportes, Amauri de Souza Romão, estão sendo investigados por uso indevido, desvio e abuso do poder econômico e do poder de autoridade em benefício de candidato nas eleições municipais de 2020.

O processo, movido pelo promotor eleitoral de Justiça Fabrício Lamas Borges da Silva, pede a inelegibilidade dos representados por oito anos e a anulação dos votos obtidos por Wilber, conhecido como Ibinho, que disputava à reeleição, assim como os votos obtidos por seu vice, além da aplicação de multa máxima, devido a gravidade dos fatos. Wilter não foi reeleito.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

O promotor relata que a ação tem por base o procedimento preparatório eleitoral e as provas colhidas na busca e apreensão realizada no dia 8 de novembro, no Posto São Paulo, autorizadas em juízo. Foi apurado que o prefeito e o secretário compravam votos e apoio político, com a distribuição de combustíveis, com parcela de pagamentos lançada como despesas da prefeitura, inclusive mediante falsidade documental.

LEIA TAMBÉM

• São Simão: TJ manda soltar prefeito acusado de assédio sexual• Prefeito de São Simão mostrou partes íntimas para adolescente em videochamada• Prefeito de São Simão é preso por crime sexual

A ação mostra que Amauri Romão, que era coordenador de campanha e representante da coligação Juntos para Fazer Muito Mais, funcionou como operador do esquema ilícito para o prefeito, buscando distribuir combustíveis em troca de apoio e votos, de forma excessiva, abusiva e não contabilizada .

Também teria sido realizado o pagamento do combustível distribuído para fins eleitorais com recursos do município, delito contra a administração pública e abusando do poder político dos cargos em troca de votos.

Na ação, o promotor juntou cópias de postagens realizadas pelo prefeito e o secretário em que demonstram sua suposta força política pelo número de carros, muitos deles envolvido no esquema de abastecimento, que teriam participado de carreatas. 

O promotor anexou cópias de notas fiscais, fotos, dezenas de duplicatas em nome do prefeito, muitas descritas “Ibinho campanha”, com lançamento de parcela dos cupons fiscais para o município, alguns em nome dos Fundos Municipais de Assistência Social e de Saúde.  Também há registros de abastecimentos de campanha em nome de Amauri Romão, mas com cupom para que o município pagasse.

Foto: Reprodução

Tags: