Queiroga anuncia 3ª dose contra Covid a partir de setembro

A terceira dose será aplicada em idosos com mais de 70 anos e pessoas imonossuprimidos. Estudos serão feitos para a aplicação em outras faixa etárias

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga, anunciou nesta quarta-feira (25) a aplicação de uma 3ª dose da vacina contra a Covid-19 em idosos com mais de 70 anos e pessoas imunossuprimidos – pessoas com a imunidade comprometida – a partir do dia 15 de setembro.

O reforço das doses tem sido defendida por especialistas diante do aumento de infecções entre vacinados com duas doses e de evidências científicas de que a produção induzida pelos imunizantes cai ao logo do tempo. País como Estados Unidos, Israel e Chile também adotaram a aplicação da terceira dose.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

A decisão foi tomada em uma reunião do ministério na noite desta terça-feira (24). Na segunda, o secretário-executivo da Pasta, Rodrigo Cruz, antecipou, em entrevista ao Papo Editor, que a aplicação começaria em meados de setembro. Além disso, a aplicação da segunda dose dos imunizantes Pfizer e Astrazeneca serão antecipadas, a partir de 15 de setembro, de 12 semanas para oito.

De acordo com o ministro, a distribuição para a primeira aplicação em maiores de 18 anos será encerrada pela Pasta no dia 10 de setembro, o que abre espaço para a aplicação do reforço. A partir do dia 15, serão enviadas doses de reforço para imunossuprimidos que tenham tomado a segunda dose há pelo menos 28 dias e idosos com mais de 70 anos que tenham tomado a segunda dose há pelo menos seis meses.

A aplicação em idosos acontecerá de forma cronológica, do mais velho ao mais novo. A Saúde aguarda a conclusão de um estudo para decidir se é necessário aplicação da terceira dose em profissionais de saúde e pessoas com menos de 70 anos.

O secretário-executivo disse que toda a população poderá ser revacinada em 2022 se estudos concluírem que isso é necessário. Até o fim do ano, Brasil receberá 600 milhões de doses, que poderão ser mantidas congeladas para uso em um eventual campanha de reforço no próximo ano.

Há ainda 180 milhões de doses da Astrazeneca produzida no Brasil já contratadas para 2022, o que será suficiente para uma dose de reforço em toda a população vacinável no ano que vem.

Tags: