“Queremos deixar um legado positivo, que a sociedade veja que é importante eleger outro deficiente”, afirma o vereador Willian Veloso (PL)

Neste dia 03 de dezembro, é considerado o Dia Mundial das Pessoas com Deficiência

Em entrevista ao jornal Diário do Estado, o vereador Willian Veloso (PL), que é cadeirante desde os 19 anos, falou sobre a força tarefa, que ele é presidente, de Pessoas com Deficiência de Goiânia. Neste dia 03 de dezembro, é considerado o Dia Mundial das Pessoas com Deficiência.

“Eu me tornei uma pessoa com deficiência com 19 de idade, já se passaram 30 anos. Por isso minha vida pessoal e profissional se confunde devido a minha vida como cadeirante. Me formei em economia, mesmo com o problema da cadeira de rodas, encontrei muitos problemas, principalmente de acessibilidade. Há três séculos atrás não existiam regra jurídica nenhuma a respeito do direito da pessoas com deficiência. Nós tivemos um longo caminho para criar um ordenamento político em nível nacional”, disse.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

O vereador acrescentou ser necessária está representação nos diversos parlamentos. “Eu e vários pares nossos fomos construindo um ambiente para se entender o que estava acontecendo. Há mais de uma década, nós não conseguimos eleger um candidato. A partir de alguns anos, percebemos que várias pessoas se lançavam em determinados pleitos legítimos representantes, mas fragmentava-se os votos e ninguém conseguia eles. Mas no começo do ano passado, em atitude inédita, conseguimos votar numa pessoa para representar o seguimento, e para minha surpresa o meu nome foi o escolhido entre todas as entidades. Nós conseguimos mesmo com a pandemia, com bem menos pessoas votando, nós conseguimos vencer, em razão desse projeto. Que possui como meta promover a inclusão”, informa.

Questionado para o que falta para que as leis funcionem, ele responde que: “nós temos um ordenamento jurídico completo, vasto, e que muitas coisas necessitam de serem colocadas em prática. Embora o Ministério Público, a Justiça, de certa forma garantir esse direito, na prática existe essa distância. A falta das pessoas com deficiência nos parlamentos, tendo poder, voto faz com que essas injustiças sejam afloradas. nós acreditamos que esse processo de levar deficientes para o legislativo é um caminho sem volta, tanto que nós tivemos um grande número de pessoas sendo eleitas em todo Brasil.”, reflete.

 

Em relação aos planos para Goiânia, ele afirma que o maior projeto é cobrar do legislativo a criação da Secretaria Especial das Pessoas com deficiência. “Nós precisamos de um ponto onde sai um organograma, onde tenha gerenciais para lidar com todos tipos de deficiências e suas necessidades. Nós somos uma cidade com falta de pessoas em locais certos, com conhecimento técnico específico. A gente precisa começar a fazer, mesmo que demore, uma hora vai chegar a evolução. Queremos deixar um legado positivo, que a sociedade veja que é importante eleger outro deficiente”, declara.

Tags: