STF determina 24 horas para governo explicar supostos relatórios para ajudar Flávio Bolsonaro

A ministra Cármen Lúcia informou que a suspeita de que órgãos públicos teriam orientado a defesa do senador é "grave"

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, determinou nesta segunda-feira, 14, que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República prestem informações, em 24 horas, sobre supostos relatórios produzidos para orientar a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso das “rachadinhas”.

Segundo Cármen Lúcia, a suposta produção dos documentos é “grave” e o tribunal tem entendimentos que proíbem o uso de órgãos públicos para fins pessoais. O pedido de informações é endereçado ao ministro do GSI, Augusto Heleno, e ao diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem. Em nota conjunta, os órgãos disseram que vão “aguardar a notificação e responder dentro do prazo estipulado pela Ministra Carmem Lúcia”.

Segundo reportagem publicada revista “Época” na última sexta, 11, a Abin produziu ao menos dois relatórios de orientação para Flávio Bolsonaro e seus advogados sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar um pedido de anulação do caso. No sábado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que incluiu, em uma apuração já em andamento no órgão, as suspeitas de que a Abin tenha orientado a defesa do senador.

Tags: