Jornal Diário do Estado

Tempestade de poeira encobre BR-060 e dificulta a visibilidade da via para motoristas

André Amorim, gerente do Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas de Goiás (Cimehgo), explica que a tempestade de poeira é resultado de ventos fortes em regiões cuja terra está exposta e seca

Na última segunda-feira, 21, uma tempestade de poeira na BR-060 foi registrada entre os municípios de Rio Verde e Acreúna, na região sudoeste de Goiás. A tempestade encobriu a via, dificultando a visibilidade dos motoristas que passavam pela rodovia.

André Amorim, gerente do Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas de Goiás (Cimehgo), explica que a tempestade de poeira é resultado de ventos fortes em regiões cuja terra está exposta e seca, devido à falta de chuvas e o preparo da terra para o plantio.

O gerente disse, ainda, que esse fenômeno sempre vai acontecer quando houver a combinação de solo exposto, falta de chuva e ventos fortes. A possibilidade pode ser reduzida se, antes dos ventos, chover na região.

Apesar do fenômeno ter acontecido entre as duas cidades, a tempestade não chegou a atingir Rio Verde, a única das duas nas quais o Cimehgo tem medição das mudanças do tempo. Em Rio Verde, foi identificada ventania de 90 km/h, além de chuva.