Home»Vídeos»Umidade baixa pode aumentar índice de doenças respiratórias

"É importante fazer o teste alérgico para saber o que deve-se evitar"

0
Shares
Pinterest Google+ Whatsapp
Entrevista com Ricardo Dourado, médico pneumologista e alergista

Entrevista com Ricardo Dourado, médico pneumologista e alergista

Posted by Diário Do Estado on Thursday, June 7, 2018

“Cigarro é um excitante, não traz prazer nenhum, o tratamento para quem deseja parar de fumar é primeiro a conscientização do paciente e segundo procurar um especialista, então se tiver tudo isso, o tratamento vai ter altas chances de surtir o efeito desejado”

Em entrevista ao Jornal Diário do Estado na última quinta-feira (7), o médico pneumologista e alergista Ricardo Dourado, explicou o que provoca a incidência de doenças respiratórias durante o tempo seco, em Goiás. A umidade do ar no estado chega a menos de 10%, ou seja, clima de deserto o que ocasiona o aumento nos casos.

Além disso, o médico esclareceu a diferença entre as doenças mais comuns e que podem ser confundidas por apresentar sintomas parecidos. Tudo o que termina em ‘ite’ significa uma inflamação, e o restante do nome indica o local atingido. Com isso a Rinite é uma inflamação que atinge as mucosas que revestem as cavidades do crânio. Assim, a mucosa incha, o nariz entope e produz coriza. O tratamento prevê o uso de descongestionantes e antiinflamatórios. Uma das curiosidades é que os ácaros, que vivem em locais quentes das casas, são vilões da rinite.

Já a sinusite tem como área principal o rosto, buracos ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. Inflamadas, essas cavidades acumulam secreções, entopem e dão dor de cabeça, febre e coriza espessa. O uso de descongestionantes e antiinflamatórios pode resolver e em casos mais graves, antibióticos são necessários. Já a faringite é quando a região da garganta é atingida, provocando dores e incômodo, que está relacionado com o pulmão e segundo o médico quando se fala em pulmão fala-se em Asma, que é uma alergia  dos brônquios, ficando contraídos e cheios de secreção. O Enfisema e a Bronquite englobam o grupo das Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas (DPOC), ou seja, está ligada ao cigarro e consequentemente ao tempo em que se é fumante. Dessa forma, “é importante fazer o teste alérgico para saber o que deve-se evitar”, alerta Ricardo.

Tabagismo

O tabagismo é considerado doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e a nicotina uma droga. “Cigarro é um excitante, não traz prazer nenhum, o tratamento para quem deseja parar de fumar é primeiro a conscientização do paciente e segundo procurar um especialista, então se tiver tudo isso, o tratamento vai ter altas chances de surtir o efeito desejado”, destaca.

Newsletter do Jornal Diário do Estado – Assine já!

Comente á vontade!