Jornal Diário do Estado

Varíola dos macacos: Goiás já tem 51 casos confirmados e 165 em investigação

Todos os 13 novos pacientes são homens, com idades entre 23 e 43 anos, moradores de Goiânia

Goiás já tem 51 casos confirmados de Monkeypox, conhecida popularmente como varíola dos macacos, de acordo com o boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) nesta segunda-feira, 8. Os 13 novos pacientes são todos homens, com idades entre 23 e 43 anos, e moradores de Goiânia.

Além disso, a pasta já aguarda o resultado de exames de 165 pacientes. Outros 35 casos foram descartados. E quatro pacientes contaminados já receberam alta médica. Os casos confirmados estão concentrados em: Goiânia (44), Aparecida de Goiânia (4), Inhumas (1), Itaberaí (1) e Luziânia (1).

Transmissão comunitária 

A doença na capital, responsável por abrigar 86,28% dos casos de varíola dos macacos confirmados, já é transmitida de forma comunitária. O anúncio foi realizado pela Secretaria Municipal de Saúde do município no último dia 2. Os dois primeiros casos da doença foram confirmados no dia 11 de julho em moradores de Aparecida de Goiânia. Desde então, os números têm apresentado crescimento no estado, que ainda não registrou casos graves da doença.

Sintomas da varíola dos macacos

  • febre
  • dor de cabeça
  • dores musculares
  • dor nas costas
  • gânglios (linfonodos) inchados
  • calafrios
  • exaustão

Contágio

  • Por contato com o vírus: com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.
  • De pessoa para pessoa: pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.
  • Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;
  • Da mãe para o feto através da placenta;
  • Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;
  • Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.