Vaticano afasta bispo por vídeo íntimo em São Paulo

A decisão foi publicada no boletim oficial do Vaticano e em um comunicado emitido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

O bispo dom Tomé Ferreira da Silva renunciou o cargo na Diocese de São José do Rio Preto, interior de São Paulo após o vazamento de um vídeo íntimo na última semana. O pedido foi aceitado pelo Papa Francisco e divulgado hoje no boletim oficial do Vaticano e em um comunicado emitido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O vídeo íntimo do religioso foi divulgado na internet na última sexta-feira (13) . Nas imagens, com 1 minuto e 20 segundos de duração, ele aparece seminu e acariciando o órgão sexual em uma vídeochamada com um rapaz, que aparece com tarja no rosto.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

Em ambos os comunicados sobre a saída do religioso não fica evidenciado o motivo da solicitação. Seu cargo já foi preenchido com o arcebispo Moacir Silva.

“A Nunciatura Apostólica informa que o Santo Padre aceitou hoje o pedido de renúncia ao governo pastoral da Diocese de São José do Rio Preto, apresentada por S. Excia. D. Tomé Ferreira da Silva, nomeando, ao mesmo tempo, como Administrador Apostólico, o Exmo. Sr. D. Moacir Silva, arcebispo de Ribeirão Preto”, diz o comunicado publicado no site da CNBB.

Desde o vazamento dos vídeos íntimos, dom Tomé não se pronunciou sobre o assunto.

Outro caso sexual

Em 2018, um pedido de investigação foi feito após dom Tomé ser investigado pelo Vaticano por supostamente omitir casos de abusos sexuais cometidos na igreja e por supostamente trocar mensagens de teor sexual com um jovem. Ele renunciou o cargo de coordenador regional de Arquidiocese de Ribeirão Preto, vinculado à CNBB, e de moderador do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano, no qual atendia as cidades paulistas de São José do Rio Preto, Catanduva, Jales e Votuporanga.

Antes disso, o religioso havia sido absolvido de outras acusações. Em 2015, dom Tomé foi investigado pelo arcebispo de São Paulo, Odílo Scherer, sobre uma suposta relação entre o religioso e seu ex-motorista, além de desvios de dinheiro da diocese, mas o caso terminou com ele sendo inocentado

Tags: