Vídeo: Criança denuncia padrasto por estupro em palestra em escola de Anápolis

Menina, de 7 anos, era abusada sexualmente pelo homem que ela chamava de "pai" durante à noite, enquanto a mãe dormia

Uma criança, de 7 anos, denunciou ter sido estuprada pelo padrasto, de 22 anos, durante palestra sobre  abuso infantil na escola onde estuda, em Anápolis. Ao ouvir sobre o tema no evento, a criança decidiu procurar a professora e falar o que estava vivendo em casa.

Ao tomar conhecimento do caso, a educadora procurou a Polícia Civil (PC), que prendeu o homem na manhã desta segunda-feira, 27. Segundo a delegada Cássia Borges, a criança era abusada sexualmente durante à noite pelo suspeito a quem ela chamava de “pai”, enquanto a mãe dormia.

• Compartilhe essa notícia no Whatsapp• Compartilhe essa notícia no Telegram

LEIA TAMBÉM

• Vídeo: Motorista desrespeita sinal de pare, bate veículo e invade supermercado, em Goiânia• Em surto psicótico, mulher mata avó e depois coloca fogo no corpo, em Pontalina• Polícia fecha cerco contra facção aliada ao PCC, responsável por 40% dos homicídios, em Goiás

“No dia 18 de maio, a escola estava fazendo palestra sobre abuso sexual. A vítima espontaneamente contou para a professora que era abusada pelo padrasto, que ela chama de pai. A criança falou que tudo que havia sido dito na palestra, era feito pelo suspeito. O caso chegou até a delegacia por meio da unidade escolar e do Conselho Tutelar. Após ouvir os envolvidos, decidimos pedir a prisão do suspeito”, esclareceu.

Depois da denúncia, a criança passou por exames psicológicos e físicos, a fim de comprovar o abuso sexual, conforme a investigadora. O laudo acabou comprovando que a menina foi abusada sexualmente, o que fez com que o padrasto fosse preso, visto que mesmo após a denúncia a menina ainda morava com o homem.

“O laudo comprovou que a criança foi vítima dos abusos e de todos os fatos que ela revelou. O inquérito será finalizado e enviado à Justiça em até 10 dias. Caso seja condenado, ele pode pegar uma pena de até 15 anos por estupro de vulnerável”, concluiu.

Tags: